THE CANNON´S SAGA

 

Jussiara Melo – from Brasil

Email;  jussiaramelo@yahoo.com.br

 

Penny Mcqueen translated this part of the story to English language.

 

 

 

 

 The Engaged Land

 

Chapter I

 

 

 

The travelers looked tiny when surrounded by the vast sweep of the desert. Extending farther than the eyes of the small group could see, the wasteland was surprisingly beautiful in its stark grandiosity, the hot and arid land of cactus and ravines.

 

His face beaming with pride, the tall rider stopped his horse and swept a hand forward, speaking to his family, "Look at

it. This is our land."

 

Whistling, his brother Buck answered with a wide grin, "You bet it is, Big John. It's all ourn."

 

John Cannon gazed at his small family, an unexpected feeling of tenderness touching him as he watched his wife and son. Speechless, the boy stared at the wide sky as his mother put a loving arm around him. The two, so much alike, looked up into the blazing, beautiful sun, brighter than any they had ever seen.

 

****

 

We must always thank God!

 

I believed I would live out my live in Missouri with John Cannon. I will admit, although it is not modest, that I could have had my pick of men back in Virginia. I was raised to be gracious and elegant, and one poetic beau told me I had eyes like cornflowers and hair as yellow as daffodils. John is not poetic, but he is strong and good and I love him deeply. We are happy, even though John returned from the war harder and colder.

 

 

 

I love our home, simple but cozy.  Corral, outbuildings, granary, fields for crops, pasture for the horses and cows. Small, but enough to live on. Cannons are no strangers to hard work, but we survive though drought, cold, epidemics, debts, and the war.  My husband walks the floor late into the night, tenser by the day. I know John is meant to walk a larger land, no matter how much I love the home we've built. A woman loves familiar things, the touch of the kitchen stove, my pans and pantry. The shelves Buck built for me displaying the porcelain dishes from my mother.

 

 

Our land is small, just enough to support us, and John keeps a few cows. But John Cannon dreams big. I look at my loved and familiar home, and at my distant husband, and I feel a chill.

 

 

****

 

Sipping good Kentucky bourbon, Buck knelt to light the stacked wood in the fireplace. As the tinder caught the match flame, he caught the smell of fresh bread and meat stew. Standing, his stomach growling, he tossed the match into the fire then ambled to the kitchen and leaned in the doorway. Watching as Annalee finished dinner, set the table, and quickly washed up pots, he laughed and asked, "What would you do without me to help you, sister-in-law? You wouldn't have no kinda fire in yore fireplace."

 

 

Her blue eyes sparkling, the blonde woman answered with a small laugh, "Thank you, Buck." Removing her apron, she crossed toward the door as it opened, her husband filling the room with the force of his personality.

 

 

Removing his hat and shaking it, John placed it on a rack near the door and unbuttoned his jacket. His eyes scanned the small room and he frowned, growling, "Where's Blue? I told him not to be late for supper again. That boy keeps pushing the limits."

 

 

Rolling his eyes, Buck answered, "Calm down, Brother John. Blue Boy's washing up, he'll be here soon."

 

 

A clatter of feet on the narrow stairway and a happy shout of "Uncle Buck, Uncle Buck!" drew Buck's eyes to his nephew. William Blue Cannon, nearing the age of 20, with large and luminous blue eyes, laughed and hugged his uncle with youthful joy. Pounding his nephew's back, Buck caught a glimpse of his brother, scowling.

 

‘Blue Boy got more'n them pretty blue eyes from Annalee. Big Brother, why you wanna be so hard on the boy? He looks jist

like her, got that same blonde hair and eyes that stopped you first time you seed her. Got her sweet nature, too, and he's sharp as a tack. Any Pa'd be proud to have a son like him, I never once knowed him to back off helping anyone, don't matter what it cost. He's young, Big John. That's all. You cain't expect him to think like you’.

 

 

John hung up his coat and watched his brother and son. Irritation flowed through him as he swung his arms and walked to the table. ‘Some days that boy doesn't have the sense God gave a goose. I'm proud of who he is, but he's got to grow up, show some responsibility. He's a man, it's time he acted like one’. Pulling out a chair, he sat. Thoughts of the war flitted through his mind and he pushed them away. ‘I was gone for so long, and a boy needs his father. If I had it to do over again, if I could somehow choose differently, I wouldn't leave my son. Maybe then he'd be tough enough to survive in this world’. He frowned at his son and said harshly, "Blue, if you miss supper you miss supper. The next time you're late, no food, do you hear me, Boy?"

 

 

"Yeah, Pa. Sorry." ‘Some days I'd rather be that hound dog he named me after. He didn't yell at him near as much’. His face growing hot, Blue played with his food moodily.

 

 

Seeing her husband's annoyed look, anguish grew inside Annalee's heart. She placed a hand on his arm and nodded toward their son, who stared at his plate. Shaking his head curtly, John mouthed a silent 'No,' and continued eating.

 

 

Buck shoveled a second fork of potatoes in his mouth and asked, "What you so moody about, Brother John? This drought be bad, but we been through worse."

 

 

"I don't imagine anybody here's all that interested in what I'm thinking, Buck," John answered curtly.

 

 

Hardworking, honest to a fault, John Cannon judged every man by his own personal yardstick, penetrating blue eyes missing little. His personal strength radiated from him despite his silver-white hair and 53 years.

 

 

"Calm down, big brother. I'm only tellin' you them Lockets is in town. They's sellin' land out west." Grinning, Buck pushed away from the table, retrieved his hat from the pegs by the door, and left.

 

 

Buck Cannon, raised by his brother since the death of their father. Irresponsible, a lover of loose whiskey, loose women, and food – not always in that order. Money went from his pocket to his hand without a thought in his head. But his heart was as strong as his back, full of courage and honor. Buck had always lived with John's family, leaving only during the War, fighting against the North and his brother. A painful time for both brothers, but also for Annalee and especially Blue, who Buck had always treated as a son.

 

 

After supper, Annalee sat by the fireplace and watched her husband's worried face. "John, tomorrow let's go to town and visit the Lockets," she suggested sweetly.

 

 

"Yes." John stared into the flames and spoke absently, then stirred himself and continued firmly, "Yes, we'll do that. Annalee, we need to talk. We lost cattle in the last drought and we owe the bank. Locket's offering me land in Arizona. We could sell this place and go there. For a man strong enough to hold it, it's a place to build a future." He waited anxiously for his wife and son's response.

 

 

Surprised, Annalee looked around her home, trying to imagine abandoning everything and starting over. Looking at John's drawn face, she knew in her heart she must support him and answered, "Of course, John. We'll think carefully about it."

 

 

"Pa, a ranch? I, uh…," Blue stuttered and fell silent.

 

 

"Son, I believe our future is there, not here. Locket's promised to hold Rancho Rivera for me. I've seen the map, it's outside Tucson in the Arizona Territory. The government's practically giving away land rights with the tax incentives." Glancing at his wife he continued, "This is where we'll start over."

 

 

"Oh John….," moved to tears, Annalee said, "I go where you go."

 

 

"Me too, Pa. We'll break new ground, right?"

 

 

"That's right, boy." Smiling at his son, John rubbed his hands briskly together. "Then tomorrow we'll head into town." Yawning and rubbing his eyes, he stood.

 

 

"Uh, Pa? I meant to tell you, but this morning you said to pen up that bull, but it got out and ran off and I couldn't…" Blue spoke quickly, looking nervously at the floor. "I'll find him tomorrow morning, I promise, get him penned up so he can't get out."

 

 

"What! Boy, don't you ever listen? You stay here tomorrow and get done what I told you to do in the first place. It's time you started learning to take responsibility, do you understand me?"

 

 

"But Pa, I…" Blue fell silent as John glared at him. Biting his lip, he choked out, "G'night, Pa, G'night, Ma," as he headed up the stairs to bed.  Flinging himself angrily on his bed, he huffed, then quickly stood, turned down the oil lamp, and dove under the covers to escape the cold night air.

 

 

Tossing uneasily under the thick blanket, sleep eluded him. ‘Pa gets madder every time I open my mouth and half the time I say the wrong time 'cause I'm afraid to say anything. No matter what I do, it ain't good enough for him. Sometimes I wonder whether he loves me’. Rubbing his nose, Blue thought how different his mother and especially his Uncle Buck treated him. Buck, who kept the world laughing most times, taught him to trust his feelings. If it weren't for Buck he'd give up on Pa most times. His uncle understood the moods and differences between his nephew and brother, so often was a

Buffer between them. A safe harbor, protective arms, and warm shoulder that Blue needed and could not get from his father.

 

 

Grinning in the dark, Blue thought about how his life would be different if Buck were his father. ‘I'd have whiskey for breakfast, a saloon girl for a Ma, and poker chips for money, that's for sure’. Turning over in bed, imagining starting a new life in a new country, the young man felt a growing excitement. ‘Who knows, maybe in a new country, things'll be different. Maybe in Arizona, Pa'll like the way I am’. The night was half over when Blue fell asleep.

 

 

In the larger bedroom, sleep also failed to find Annalee, tired as she was. Her husband tossed in his sleep and she rose carefully, sitting down in a side chair, lighting the oil lamp and taking her sewing box. Replacing a button on her son's shirt, her thoughts wandered to a time in the past when John told her, "You are the woman I choose to live with me until the end of my life."

 

 

This hard, determined man won her heart, binding her with a love immense and strong. Her family, substantial and respected, disapproved. John Cannon was too tall, too outspoken, too rude, and his saloon-hound brother too disreputable. Annalee, always an obedient daughter until now, could not be dissuaded. "Mamma, this man is my life. I'm going to marry him. You can either accept it or miss me when I'm gone."

 

 

"Come to bed, Annalee," John's voice shook off her reverie, and, an obedient wife, she doused the light and returned to her husband's side.

 

 

The early morning sun found the Cannon ranch busy. John busy separating and ear-tagging calves, Annalee churning butter, Buck and Blue feeding horses and fixing fence. Later at a breakfast of strong coffee, milk, fresh bread, cheese, and bacon, John turned to his wife and said, "We'll go to town, deal with the bank and visit the Lockets tomorrow. That'll give me time to work on the ledgers. Blue, you head down to the river today, by the salt lick and over by Ben Thompson's. He's been asking me to come help him. But before you go, get your chores done here."

 

 

"Yes Pa," Blue answered, finishing his coffee. Buck slapped him on the shoulder as he left. Buck poured a third cup of coffee, swirling the dark liquid in the cup, whistling softly the tune to a bawdy-house tune. As the two men talked about Arizona and the sale of the property, John began to calculate the extent of the debts and the amount needed to pay the bank and leave.

 

 

Annalee began to sort clean laundry, folding and smoothing the fresh smelling cloth. Smoothing Blue's shirt, she thought affectionately of her son, moments the two had spent while John and Buck risked their lives in a bloody war, brother against brother. Blue, so young. ‘Ma, look, Ma! I drew this at school. It's a horse, you like it?’ ‘It's beautiful, son’. ‘Ma, when Pa comes back from the war, I want one just like it’. Annalee smiled to herself as she finished folding the shirt. ‘My son is an artist’.

 

 

Annalee worried when Blue missed lunch. Buck called to her, teasing, "Sister-in-law, he's out play-partyin' with that boy of Thompson's. He be home when he gits hungry enough."

 

 

John said nothing but eyed the front road angrily, mentally counting the work to be done. ‘That boy has no sense of responsibility. When he gets back he's going to learn a thing or two’. Hoof beats drew his attention; he stalked to the house, arriving as Blue slumped of his horse and stumbled to the door, supported by an older man. "WHAT IN TARNATION HAPPENED?" John shouted at Thompson, grabbing Blue's arm. "Buck! Buck! Come here right now!"

 

 

As Buck relieved Thompson of his nephew's arm, Blue stumbled, mumbling. His father snorted angrily as they entered the house and placed him on the sofa, "He's drunk."

 

 

"Oh my dear Lord," Annalee cried.

 

 

"Ma'am, it was just them two boys, they got carried away. You know how it is, boys'll be boys," Thompson apologized, rounding his hat in his fingers nervously.

 

 

"I sent him to you for a favor." Face hard, Big John whirled on the man, jabbing a finger in his face. "What happened?"

 

 

 

Face red, stumbling over the words, Ed Thompson explained how two young boys, bored with watching cows, decided they could take on the older cowhands in a poker match. Amused when the youngsters lost money, the saddle tramps agreed to bet drinks. Blue and the Thompson boy continued to lose, but the laughing cowpunchers threw in a twist; for every losing hand,

The losers downed redeye whiskey. "If I'd known them sidewinders was playing with the boys, I'd 'a kept 'em home, John. My own boy's passed out in the buckboard." As Buck laughed, John showed Thompson the door.

 

 

Bringing a pitcher and bowl, Annalee pulled her son up and sponged his face. But the effort was too much for the drunken boy; he heaved once, pitched forward on the floor, and emptied his stomach in drunken retching. Shrugging, Buck hefted him over a shoulder and trudged upstairs, tossing him on the bed, where he slept like the dead. Late that night Annalee, worried, brought him some warm broth and he kept it down.

 

 

Leaving the house, John stalked angrily to the pasture. His disappointment and anger choked him. At the fence, he stopped, gripping it tightly with a gloved hand. ‘Is he going down the same path as Buck, drinking and carousing? No son, not you! I'll root this out of you if it kills both of us’ John tapped his forehead against the fence post in discouragement and anger.

 

 

Dark night, sky without moon, and an overwhelming cold. In the still, dark room, a young man, deep in whisky-soaked sleep, stirred as a strong figure entered at sat at the edge of the bed. "You're awake, boy," John whispered.

 

 

Blue tried to open his eyes through the blinding pain behind them. The room spun; his stomach threatened to turn itself inside out again. The buzzing in his ears lessened when he recognized his Pa's voice. He tried again, managed to get one eye open, and raised himself on an elbow, stopped when John

put a hand on his shoulder.

 

 

"You stay there, son. I want to talk to you about what happened yesterday."

 

 

At his Pa's tone, fear grew in the boy's throat and he mumbled, "Is the sun up already, Pa?"

 

 

 

He fell back on the mattress as his father continued, "Yep, it would be for someone who knows about responsibility. For someone who knows about work, and that doesn't seem to be you, boy."

 

 

"But Pa…"

 

 

"Keep quiet." Blue's breath caught in his throat at the low hiss of his father's words. He waited for words that didn't come. Instead, John rose and walked to the door. Relief washed over Blue until he heard the click of the key in the lock, saw John unbuckle his belt. Blue shrank with fear and shame. The belt dangled, snake-like as his father pulled it from the belt loops and walked toward him. "You want to get drunk, run off half-cocked like every other fool, Blue?"

 

 

Shaking his head to clear it, eyes glued to the brown leather, Blue tried to think. "Calm down a minute, Pa…"

 

 

"Calm down?" Big John thundered, jabbing a finger forward as Blue jumped to his feet on the bed, leaning against the wall. "You drink up half the county, make more trouble that you're worth, and tell ME to CALM DOWN? You beat Buck for irresponsibility, show no respect to me or your mother. You deserve the whipping of your life, boy." He raised the belt.

 

 

"Pa, no!" Their shouts echoed in the small room. Blue, terrified, saw no way to escape the humiliating beating. "Pa, please. I know I done wrong already, but I'm too old to be whipped like a shirt-tailed kid. I ain't the boy you left behind no more, you just can't see it." Climbing down from the bed, Blue faced his father. Chin jutted forward, his eyes blazed with determination. "I may not be a man yet, but I've grown up. Please, Pa."

 

 

Looking into the face of his son, John Cannon felt a sudden shock travel through his chest. The boy's face had changed, lips draw in a tight line, stubborn will showing in every line of his body. He knew in a flash of understanding his son was no longer a child to be punished in the way of a child.  Blue had grown and he failed to see. Angrily he threw the belt across the room and growled, "You need to prove that to me, boy. Show me you think about the consequences, take responsibility for yourself."

 

Stepping closer, he slowly laid a hand on the young man's shoulder. "Today you stood up to me, acted like a man. Good enough, I won't punish you. But I don't want to look at you today, Blue." Retrieving his belt, he left the room.

 

 

Sagging on the bed in relief, Blue dropped his head in his hands. ‘I dodged that one’. But his father’s words grew in his mind.

 

 

*****

 

 

In the small living room, Annalee sat by the fireplace, trying to ignore her worries about her husband and son. Not daring to intervene, her thoughts drifted into memory.

 

 

"Annalee, push! Push!"

 

 

‘My son. My son is being born. Oh my God, help me’.

 

 

"It's a boy, Annalee!" Placing the tiny child in her arms, the midwife smiled and smoothed her hair from her forehead.  "A boy pretty as his mother."

 

 

Raised voices drifting from upstairs brought her back to the present. She clutched her knitting, anguished, when Buck crashed through the front door. Glancing at the stairs, he winced at the shouts, then shrugged.

 

 

"Oh, Buck. It's as much my fault as Blue's."

 

 

Kneeling, her brother-in-law added wood to the fire, his face growing red. "I thinks Blue's more'n half-growed myself, Annalee." Pouring a cup of coffee and settling in a wooden chair, he continued seriously, "But it's his Pa got to make that call, not me." ‘Mebbe iffen he was my boy I'd do it different, but it ain't up to me to stop John from raisin' his own son. Best I kin do is be the best uncle I kin be’.

 

 

 

 

 

Heavy footsteps on the stairs were followed by the angry face of Big John. Seeing his brother, he advanced, arm outstretched like a saber. "Buck, where'd Blue get the notion redeye whiskey's such a good idea? You?"

 

 

"Calm down, brother John." Slamming the metal cup angrily on the hearth, Buck rose to his feet and stomped to meet his brother.  "I ain't got one thing to do with this."

 

 

"John, Buck!" Standing between the two men, Annalee suddenly collapsed against the broad chest of her husband, sobbing. Looking over her shoulder at his brother, he patted her shoulder awkwardly, remembering his angry words with his son.

 

 

*****

 

 

Halfway through the night, a cold rain and wind chilled a wakeful Annalee. Unable to sleep with a heart full of anguish she slipped from the side of her husband and walked the floor. ‘Dear Lord, Blue and John are slipping away from each other, and they need each other so much. I'm afraid John will lose him. Blue is almost a man, but he is still really only a boy. John can't understand him, his personality. Blue has an artist's soul and sensitivity. Lord, help my son. I'm afraid for him. Afraid he suffers’.

 

 

Washing and dressing, she walked quietly down the hall, stopping outside Blue's door. His light still burned low and she entered quietly, seeing him slumped asleep in a chair. He stirred and woke when she placed a hand on his shoulder and she said, "Billy, you know he loves you. But he raises you the only way he knows how."

 

 

"Yeah." Blue wished he could crawl into her lap, have her kiss away his hurt like a skinned knee, but instead he pulled himself to his feet and stumbled to the bed. "He just don't like me so much."

 

 

"No Billy Blue! Don't talk that way about your father. He loves you more than anything in this world, he always dreamed of having you." When Blue shrugged and flopped on his pillows, she continued, "Please understand, he's worried about the bank, money, he…"

 

 

"Ma," he interrupted, "It ain't just that. He ain't the same, not since he come back from the war. You know he ain't, Ma. He's different, especially to me. Harder, madder. Ain't nothing I do ever right, and, and…he don't care about me." Blinking hard, Blue looked away quickly then back. "I miss him. I wish it was like before, Ma." He bit his lip and stared at the ceiling.

 

 

Tears filled her eyes as she smoothed hair from his forehead, kissed his cheek, and left her son alone with his thoughts.

 

 

*****

 

 

"Beautiful day, dear. Where's that brother of mine?" When there was no answer, John rested his forearms against the breakfast table and said with exasperation, "Now look here, Annalee, you can get off your high horse right now. Blue deserved every bit of what I intended to give him, but this time he got off easy. How in tarnation do you expect the boy to grow up if he never learns from his mistakes?"

 

 

"Yes John." Setting down toast in front of him, she gave him a sorrowful glance and returned to the stove.

 

 

"It was bad for the boy, me being away so long at war, I've got to make up for it. Blue's irresponsible and immature." He chewed the toast firmly as Annalee sat by his side listening.

 

 

She was relieved Blue had escaped punishment, pleased John was moved beyond his usual sternness. He believed that sparing the rod would spoil the child, and was determined to see Blue grew up in his image.

 

 

The door flew open and Buck entered, his hair still dripping. "Morning folks." Grabbing a handful of toast, he winked at Annalee and asked innocently, "Where's my nephew?"  Glaring, the older man chewed silently.

 

 

 

"Blue's still upstairs, Buck." Annalee watched her husband closely for his reaction. John's usual rule was for Blue to miss a meal as punishment. When he said nothing she continued, "Why don't you call him?"

 

 

"I'll go git him. Since he cain't have no hair of the dog, a little food is jist what he needs to settle his belly after last night."

 

 

Sitting on the edge of his bed with his head in his hands, Blue thought he'd never felt so sick in his life. His head felt like a horse was standing on it and his mouth tasted like he'd eaten the horse's hoof. He grabbed the small bucket sitting beside him, leaned over it, then relaxed and put it down. The door banged open and he grabbed his head, certain the noise would make it blow apart.

 

 

"Morning, Blue Boy!" Buck roared happily, clapping him on the back. "Time to head downstairs, we got biscuits, ham, redeye gravy, fatback bacon…whassa matter, you don't look so good?" 

 

 

Glaring at him through bloodshot eyes, Blue grabbed the bucket desperately. Chuckling, his uncle sat and draped an arm across his shoulders. "C'mon Blue Boy, ain't nobody ever died of a good case of tanglefoot and yore Uncle Buck shore oughta know." Hugging him tighter he continued, "'Sides, the world don't end ever time a pa whips his son, now do it?"

 

 

"Uncle Buck, he didn't. Not this time." He explained to his uncle. The two went to breakfast and Blue nodded at his father, stuttering, "Pa, Ma, I'm sorry about yesterday. I, uh…"

 

 

"It's not important, Billy," Annalee interrupted, seeing the sadness in his eyes. "Come and eat." Despite Buck's joking, Blue and his father didn't talk that morning.

 

 

 

Chapter II

 

 

 

"Thompson, you can't do this." The infuriated voice of John Cannon mingled with the cynical voice of the banker.

 

 

 

"Yes, Mr. Cannon, I can. There's a mortgage on this property, and if it's not paid the bank will take everything.  I feel for you, but there's nothing I can do about it."

 

 

Sighing heavily, John sat at his writing desk and tried to think calmly. Annalee brought a tray with coffee, her face worried. Half an hour later the banker left, satisfied with a promissory note signed by Cannon. Annalee embraced her husband, her heart aching as she said, "Everything will work out, John, I'm sure of it. Go talk to the Locket brothers, maybe they can help."

 

 

The muggy summer weather made the animals and Blue sluggish, and he worked slowly through his chores. Mulling over the growing tension with his father as he caught the new colts and took them to the riverbank to water, he sat on the bank, a knot of sadness growing inside him.  The sparkling water was inviting; stripping down to his trousers, he waded into the icy water, holding his breath as he ducked under the flowing stream.

 

 

Untacking his horse, he lay underneath a large oak tree and watched a wren tend its nest. The bird eyed him suspiciously, then flitted away, returning quickly with a beak full of bugs which it quickly fed to the upturned nestlings.  Touched by the tenderness of the tiny bird, Blue's thoughts drifted away into memory.

 

 

‘It's Sunday, son. You want to go fishing? Hey Pa, I caught one! Good boy, your Ma'll cook it tonight….Son, this is important. I have to leave you and your Ma. Go to war. Me and your Uncle Buck.  It's up to you to take care of your mother now, do you understand me?  Pa, no, Pa. I don't want you to go, please. Son, you have to be strong. I'll be back soon. You take care of your mother, you hear me?  Pa…I love you, Pa.  So do I, son. I love you very much…. Me and yore Pa, we gonna fight agin each other, Blue Boy. You understand? Uncle Buck, does that mean you might kill Pa? Blue, I didn't say that. I didn't. We be home soon and we all be together, I promise. Uncle Buck..I feel like…Blue, I knowed how you feel, but don't take on like this. I'm gonna miss you more'n anythin' in this world. But it's war and I jist gotta go’.

 

 

"BLUE BOY! Hey Nephew! Yore Pa be lookin' for you!" Torn back to the present, Blue reached for his shirt. His eyes were damp with tears, but he wiped them quickly as his uncle rode up. "Blue, you didn't milk them cows? Yore Pa's gonna have him a fit he finds out." Sliding off his horse he helped saddle the boy's gelding.

 

 

"I'm going, I'm going. Calm down."

 

 

"Don't you calm down me, it's yore hide gonna need calmin' you don't get them cows milked."

 

 

*****

 

Days pass and decisions needed to be made. Annalee asked God for help and tried to calm her heart. Working in her sunflowers, she watched as the men worked on a cow with a broken leg. Wiping sweat from her brow, she moved to the porch and sat in her rocking chair. As a breeze cooled the shade, once again her thoughts returned to the past. To the voice of her mother.

 

‘Annalee! Annalee! Come carry this cake to the church party. Put on your best dress and fix your hair. Wear your blue one, it matches your eyes, dear. Maybe at the party you'll find a beau!...Mother, you know I don't want a beau. I don't need anyone else…Don't talk to me about it, Annalee, you don't know what you're saying. John Cannon is not right for you…But Mamma…HE IS NOT RIGHT FOR YOU!…Mamma, please. I love John Cannon and I'm going to marry him. Mamma, he's a good, honest man and he loves me. Doesn't that count for something?’

 

 

Opening her eyes and staring at the horizon she heard the suffering of the cow and the voices of her family. Rising from the rocking chair she entered the house, went upstairs and opened a small drawer in a bedside table. She removed her diary; an urgency to write sent her to the writing desk. With the small book in her hands, her heart filled with affection and she turned to a familiar page. ‘I met the most wonderful man. Handsome, strong, pleasant and gallant. His name is John! John Cannon. Mamma and I went to the fort, to visit the colonel's wife. The good lady is ill and so we stayed for a fortnight, time enough to become attached to my new friend. I know I made an impression on Mr. Cannon and he certainly impressed me. I find myself incredibly happy, but Mamma doesn't approve. She says he is rude and arrogant.  That I should marry someone better suited so I can have an easy life. But how can that be right? I should marry someone I love’.

 

 

"Maaaa! We're here and we're hungry!" The laughing shout of Blue returned her to the present; she replaced the journal and served the mid-day meal.

 

 

*****

 

 

In the small bedroom that night, Annalee brushed her hair as John lit the bedside lamp and turned it low. Sitting on the side of the bed, he watched her face, calm and thoughtful. "Annalee, is there some problem, something that I don't know about? You've seemed…distant."

 

 

Answering sweetly but with an air of sadness she turned to him and smiled, "No John."

 

 

"I know I've been distant with you. Lately…I know I'm a hard man. Difficult. But I love you." Rising from the bed, placing his large hands on her shoulders he looked into her eyes. "You're my rock, Annalee. Mine, Blue, Buck. I know our life is hard. Very hard for all of us and I know sometimes you aren't happy."

 

 

 

 

Finished the translations in English !!

From here the story continues in Portuguese.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A SAGA DOS CANNON 

 (in Portuguese language)

 

 

Capítulo I

 

A Terra Prometida !!

 

A vastidão da pradaria se estendia diante dos olhos daquele pequeno grupo. Surpreendidos pela beleza agreste do  lugar e assustados pela grandiosidade daquela terra quente e  sedenta, rodeada de cactus  e ravinas.

“Vejam todos ! Estas são as nossas terras !” a exclamação veio de um homem forte em seu orgulho de trazer até ali sua pequena porém amada família.

 

“Big John? Tem certeza que é nossa?” respondeu seu irmão Buck com uma assobio de assombro. O filho e a esposa ficaram mudos diante do lugar e abraçados contemplaram o por do sol mais belo que já tinham visto.

 

 

Devemos sempre agradecer a Deus !

 

Analee  Cannon ! Uma graciosa mulher de estatura média, cabelos loiros claros, olhos doces e azuis, corpo esguio e elegante. Analee Cannon, a amada esposa e mãe que acolheu também o  cunhado Buck, compreendendo sempre as suas atitudes irresponsáveis que poderiam contaminar seu filho Billy. Ela tem um profundo amor pelo seu marido John Cannon, um homem duro e de pouco afeto mas que também a ama muito.  “Obrigado Senhor pela minha família.” 

 

Os Cannons vivem uma casa simples mas bem aconchegante. Tem um curral, um alpendre de lenha, um alojamento e um pequeno pasto onde se acomoda os cavalos e o gado leiteiro e corte. Não tem empregados nem vaqueiros. Apenas os Cannons tocam este pequeno rancho com trabalho duro e dali tira o sustento de todos.

É uma vida difícil. A seca, o frio, as vezes intenso, as epidemias e as dívidas. Big John anda preocupado e muito tenso.

 

A casa de construção simples, tem uma atmosfera aconchegante. A pequena sala é separada por um balcão de onde se vê a cozinha com fogão a lenha e panelas de ferro expostas. Uma pequena peça com prateleiras, exibe o conjunto de louças de fina porcelana azul, herança da mãe de Analee.Uma pequena escada leva aos dois quartos e banheiro. Um alpendre armazena lenha e acomoda vários equipamentos de trabalho. Um curral, um estábulo e um celeiro completa o cenário. A terra é minguada e John cria algumas cabeças de gado além de cavalos. Mas John Cannon sonha alto.

 

A noite cai rapidamente e o frio toma conta da pequena casa. Buck acende a lareira e toma um gole de uísque para esquentar um pouco. Da pequena cozinha conjugada à sala um cheiro bom de pão assando e um guisado de carne faz seu estômago roncar de fome. Analee habilmente prepara o jantar enquanto lava as louças e coloca a mesa.

“Quer ajuda cunhada?” Buck pergunta enquanto aviva a lareira.

 

“Obrigado,Buck”  ela responde com doçura e retira o avental quando ver a porta se abrir e seu marido preencher a sala com seu jeito carrancudo. “Aonde está Blue ? Porque ainda não veio jantar. Esse rapaz está passando dos limites”

 

“Calma irmão. Blue está se lavando e logo estará aqui” responde Buck.

“Tio Buck, tio Buck” o grito entusiasmado do sobrinho fez Buck olhar para a pequena escada que dava acesso aos quartos de onde seu sobrinho descia. William Cannon, um

jovem e bonito rapaz de quase 20 anos, esbanja uma alegria juvenil quando abraça o tio. Grandes e  luminosos olhos azuis.. Belos olhos que adorna um bonito rosto. Blue Boy, como Buck o chamava carinhosamente, herdou os belos traços físicos de Analee, e também a personalidade. Blue é carinhoso, amável, educado e sensível. Nunca hesitou em ajudar alguém em detrimento de si próprio. Seu pai sempre se orgulhou dele mas acha ele despreparado para a vida e sensível demais.  Os tempos em que ele ficou na guerra, afastou ele do filho e  o impediu de vê-lo crescer e forjar uma personalidade mais forte e viril. Estas constatações angustiavam John em demasia. “Se o tempo voltasse... eu não teria partido.”.

 

Severo, John o repreendeu  quando ele sentou-se à mesa.

 

“Da próxima que demorar, vai ficar sem comer, rapaz”  “Claro, pai. Desculpe..” Blue corou, serviu-se cabisbaixo e pensou: porque ele me trata assim? Mas não se atreveu a recrutar.

 

Todos comeram em silêncio mas uma angústia cresceu dentro do coração de Analee. Ao terminar o jantar ,Buck  levantou-se e perguntou ao irmão. “Que está pensando, John? Na chuva que não vem?”  “Meus pensamentos são meus e não interessam a ninguém” retrucou John carrancudo pela intromissão. . John demandava força no seu físico. Severo, trabalhador e honesto,  estas características já se incorporara ao físico forte, alto e esbelto apesar dos seus 53 anos. Cabelos brancos e fartos, olhos azuis penetrantes formavam o conjunto que sempre chamava atenção pela sua forte personalidade .

 

“Calma irmão. Só queria avisá-lo que os Lokets estão na cidade e que  planejam vender umas terras lá pelos lados do oeste” Buck deu um risinho maroto e se afastou para o estábulo. Buck Cannon o único irmão dele que ficou aos seus cuidados desde a morte do pai. Irresponsável, beberrão, mulherengo, gastador, esbanjador mas também corajoso, forte e honesto. Sempre morou com John e sua família, somente se separando na guerra da secessão que lutaram um contra o outro. Isso feriu a ambos e também a Analee, que sempre se manteve neutra diante das questões familiares e principalmente ao seu querido sobrinho, Blue, que ele sempre tratou como um filho.

 

Após o jantar, eles ficaram próximos à lareira e Analee pressentiu que seu marido estava com problemas. “John, amanhã poderemos ir até a cidade e visitar os Lokets” ela sugeriu docemente.” Sim... poderemos. E também eu gostaria de conversar com você, Analee. Nós perdemos algumas cabeças de gado na última seca e temos uma dívida com o banco.  Loket tem me oferecido um rancho lá pelos lados do Arizona. Ele está intermediando a venda destas terras com preço bem acessível. Então eu pensei de vendermos esta propriedade e irmos para lá.” John esperou com uma certa ansiedade a reação da esposa e do filho que também ouvia a conversa. Analee ficou surpresa e tentou rejeitar  a idéia de abandonar tudo em busca de aventura mas ao olhar para o semblante preocupado do marido, ela resolveu apoiá-lo. “Claro, John. Podemos pensar mais sobre isso”   “Pai.. estas terras .. bem .. eu acho” Blue gaguejou e calou-se. “Filho, caso dê tudo certo é lá que plantaremos o nosso futuro.  Locket me garantiu que vale a pena. Ele me mostrou um mapa e já tem muita gente que já foi desbravar o oeste. O governo está dando vários incentivos fiscais. Acho que será um bom  lugar para recomeçarmos”  “Oh ! John...pode contar conosco. “ Analee olhou para ele emocionada. “Eu também.. pai. Acho que será bom partimos daqui”  Blue também o apoiou. “Então amanhã iremos visitar os Lokets” John determinou e foram se recolher pois o sono já estava tomando conta deles.  “Pai.. desculpe interromper mas hoje pela manhã eu  tresmalhei aquele touro mas ele conseguiu passar para o pasto dos Kergho” Blue falou receoso. Amanhã  tentarei de novo Então ele ficará impossibilitado de fugir”  “Olha aqui, rapaz, se toda as vezes que você fizer um trabalho tiver que refazê-lo, você não sairá do lugar. APRENDA ISSO, OUVIU BLUE?” John  alterou a voz duramente. “Mas.. pai.. eu” Blue tentou explicar e calou-se diante do olhar de repreensão do pai. “Boa noite, pai.. Boa noite, mãe”  ele subiu a pequena escada que dava acesso ao quarto que  dividia com o tio e deitou-se. A escuridão do quarto é quebrada pela luz fosca de um candeeiro. O ar está frio e Blue puxou um pouco mais, a grossa coberta tentando dormir. Está inquieto, também. Seu relacionamento com seu pai só faz piorar cada vez mais. Big John Cannon não tolera nenhuma falha do filho. Isso o magoa profundamente pois o ama demais porém não consegue exprimir este sentimento  Blue não é o mesmo diante do severo pai. Sempre se arma de  uma auto-defesa e sente um incômodo medo. Tem muitas dificuldades de expressar suas próprias opiniões e até mesmo carinho.  Há sempre uma crítica vinda de John. Não! Blue não ousa desobedecê-lo! Já experimentou na carne, a força da autoridade paterna. E muitas vezes injustas e desnecessárias.  Muito diferente da sua relação com sua mãe e com seu tio Buck, onde Blue sempre experimentou um prazer de estar sempre próximo. Com seu tio o mundo é mais divertido,  ele confia também seus anseios e suas angústias, inclusive em relação a seu pai. Tio Buck sempre o acolheu, compreendendo as nuanças e diferenças entre seu sobrinho e seu irmão. Buck sempre foi o porto seguro, o ombro amigo e braços protetores para Blue. Embora as referências nem sempre na linha de conduta certa mas Blue sempre discerniu a personalidade de Buck e achava divertido a forma de Buck viver. Mas mantém com ele uma relação saudável de respeito, carinho e amor filial. Mas agora a possibilidade de partirem para um lugar desconhecido, excitava um pouco este jovem rapaz que pensou: Quem sabe, lá no Arizona pai melhora comigo A noite já ia alta quando o inquieto Blue adormeceu. No quarto ao lado, Analee também não conseguia dormir embora estivesse muito cansada. Sentia que seu marido estava com um sono inquieto. Levantou-se com cuidado, sentou-se na cadeira ao lado da cama, avivou a lamparina de azeite e pegou sua caixa de costura e tricotou um pouco. Seus pensamentos vagaram um pouco. Lembranças vivas de um tempo não muito longe quando conheceu John. “Você é mulher que escolho para viver comigo até o fim de minha vida” declarou-se para ela. E seu coração sentiu logo um imenso e forte amor por aquele homem duro e decidido. Ela pertencia a uma família abastada e seu relacionamento com John não foi do agrado deles. Para eles, John era um rude que trazia consigo um irmão beberrão e que com certeza queriam Analee somente para lhes servir. Mas Analee sabia que eles estavam errados. “Este é o homem da minha vida, mamãe. E é com ele que passarei a minha vida” Seus olhos ficaram marejados pela lembrança. “Venha dormir, Analee” a voz de John a tirou do devaneio e ela obedientemente, apagou a lamparina e deitou-se ao lado do marido.

 

 

CAPITULO II

O sol nasceu cedo e as lides do pequeno rancho já era urgente. John ocupava-se de separar algumas reses e marcá-las. Analee batia a manteiga cremosa e cuidava dos muitos afazeres domésticos. Buck e Blue cuidavam dos cavalos e dos consertos da cerca. Depois entraram para se alimentarem. Enquanto tomavam o gostoso café da manhã composto de pão de centeio, leite, coalhada, queijo, John virou-se para Analee e disse: “Hoje não poderemos visitar os Lockets. Tenho atualizar os livros e calcular os impostos e vocês, Blue, quero que  vá até a borda do rio pegar sal para misturar com a ração. Traga uma boa quantidade e leve até o pasto de Thompson. Ele me pediu ajuda. Mas não demore. Mas antes de ir, termine suas tarefas aqui” “Sim pai” Blue  respondeu e terminou logo seu café para cumprir as ordens de Big John. Buck continuou na mesa  assobiando uma canção de bordel.

Analee separou a roupa limpa para guardá-la. Ao pegar uma camisa de Blue ela carinhosamente pensou no filho. Momentos a dois, mãe e filho, enquanto John e Buck arriscavam a a vida em uma guerra sangrenta. Irmão contra irmão. Mãe... olhe, mãe.. eu fiz este desenho .. lá na escola. É um cavalo !! Você gostou? Claro, meu filho. É lindo. Mãe quando o pai voltar da guerra eu quero um igual.  Analee sorriu ao voltar a realidade. Meu filho é um artista!

 

Enquanto isso no pasto, John e Buck conversavam sobre a possibilidade de irem para o Arizona. Buck também concordou com a partida para o oeste .Mas sabia que não iria ser fácil para  John se livrar das dívidas e partir.

 

O dia transcorreu normal e Blue não apareceu para o almoço preocupando um pouco Analee. “Ah ! cunhada, ele deve ter se encontrado com o filho de Thompson e se divertido um pouco” Buck a acalmou. John nada disse mas reprovou a conduta do filho. Afinal tinha muito o que se fazer no rancho. “quando ele voltar, irei repreendê-lo” levantou-se de supetão ao ouvir um barulho de cavalo chegando. “deve ser Blue “ e saiu à porta.

Blue acabava de apear e cambaleava sendo apoiado por um homem mais velho.

 

“QUE ACONTECEU?” um vinco de preocupação marcou o rosto de John ao se aproximar de Thompson e ajudá-lo a segurar Blue. “ Buck!  Buck !AJUDE –ME AQUI! RÁPIDO”  ele gritou para o irmão. Blue mal andava e John indignado e surpreso, entendeu o porque: Blue estava embriagado. Os três entraram no sala e o colocaram no sofá, para agonia de Analee. “ oh meu Deus” “Calma, senhora, foi somente uma farra de jovens” Thompson contemporizou. “Como aconteceu isso? Ele foi fazer um favor pra você !!” o olhar duro e severo de John não deixava nenhuma dúvida. Ao contar que Blue foi envolvido pelos vaqueiros de sua fazendo que estavam jogando poker e apostaram em bebida, caso alguém perdesse, Thompson condenou Blue à mão disciplinadora de John. “Se eu soubesse que seus vaqueiros não tinham o que fazer, eu não teria mandado meu filho até lá para lhe ajudar” John indicou a porta para o espantado Thompson, que se despediu envergonhado.

Analee ajudou o filho a se recompor, fazendo ele se levantar e se lavar na pequena bacia que ela trouxe. Mas o esforço foi demais para um jovem desacostumado ao álcool e ali mesmo ele vomitou. Visivelmente embaraçado, ele foi levado para o quarto pelos braços do tio que o acomodou na cama., onde dormiu profundamente.À noite o encontrou melhor e sorveu um caldo de carne feito por sua amorosa e preocupada mãe. John afastou-se e foi para o pasto recolher o gado. Estava com muita raiva e desapontado. Sempre teve horror a bebida e sentia medo que seu filho seguisse o caminho de Buck.  Não, filho, você não.!! Nem que tenha que cortar o mal pela raiz. John chocou levemente a cabeça contra a cerca em desalento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Noite escura, céu sem lua e um frio angustiante. O quarto ainda escuro acolhia um corpo jovem que jazia em um sono profundo talvez sob efeito ainda da bebida. A porta se abriu e uma figura forte entrou e sentou-se ao seu lado. “acorde, rapaz” John  sussurrou. Blue tentava abrir os olhos. Uma dor de cabeça terrível, náuseas e desorientação. Mas logo despertou ao pressentir alguém a seu lado e estremeceu ao reconhecer a voz de seu pai. Virou-se devagar e tentou levantar-se. John o impediu. “continue deitado, filho. Eu apenas quero conversar com você sobre o que aconteceu ontem.” A voz era grave e um medo cresceu na garganta do rapaz. Apoiado pelos cotovelos seu corpo amoleceu e ele tornou a deitar-se. “Já amanheceu?” a voz juvenil insegura. “Sim.. principalmente para quem tem responsabilidades. Para quem sabe valorizar o trabalho e parece não ser o seu caso, hem filho?” “Mas... pai”.  O jovem balbuciou.  “Cale-se”  a voz  baixa e sibilante de John, fez a respiração de Blue acelerar. Esperou o tapa que não veio. Em vez disso, John levantou-se e dirigiu-se à porta. Blue prendeu a respiração. Um alívio que durou pouco ao perceber que o pai tinha trancado a porta com a chave. John estava desafivelando o cinto. Blue encolheu-se de medo e vergonha. Como uma serpente o cinto foi retirado das alças da calça da John e dobrado. Lentamente ele aproximou-se do filho e falou com a voz cheia de raiva: “Como se atreve a beber tanto a ponto de perder o controle e se embriagar, Blue?? O rapaz foi chegando para trás, ainda tonto pelo súbito despertar e apavorado  ao pensar que aquele cinto era para ele, tentou ponderar.  “Pai.. tenha. calma.”.  “CALMA ?????  VOCÊ BEBE ALÉM DA CONTA, FAZ TODA ESTA TRAPALHADA E AINDA ME PEDE CALMA??  ele gritou levantando o cinto para açoitar o filho. “NÃO, PAI.. VOCÊ NÃO PODE ME PUNIR DESTA FORMA”   Blue reagiu pulando da cama e se encostando na parede oposta ao pai. “POR QUE NÃO ?? VOCÊ VAI ME IMPEDIR, RAPAZ? VOCÊ AGIU COMO UM MENINO IRRESPONSÁVEL E SERÁ PUNIDO SIM !!  Os gritos de John  ecoaram no quarto como um trovão.e ele foi em direção ao apavorado Blue que acuado não via como escapar da surra humilhante. “Pai..por favor.. eu já passei da idade.. para isso. .eu sei que eu errei.. eu sinto muito.. desculpe-me ..pai..mas..levar uma surra?. Eu não sou mais aquele menino, pai. EU JÁ CRESCI PAI.....OLHEPRA MIM..PAI....por favor.. .”  Blue  argumentou gaguejando tentando evitar o castigo. John parou próximo a ele, como se tivesse levado uma descarga elétrica ao ouvir os argumentos do filho. Percebeu então que Blue já não era mais um menino. Um menino, que ainda precise levar alguns açoites.  Blue, crescera e John ainda não tinha percebido. Com raiva atirou o cinto com força no chão e disse ao filho com a voz entredentes. “Você precisa provar para mim que você cresceu. Que deixou de ser um menino imaturo que não pensa nas conseqüências de seus atos. Prove isso para mim, Blue. Mostre a mim e a todos que você já é um homem. Tudo bem, eu não vou lhe castigar. Mas não quero olhar para você hoje, Blue.”  Ele deu as costas e saiu. Blue sentiu-se aliviado por ter escapado da surra  mas as palavras do pai explodiam em sua mente.

 

Na sala,  junto à lareira Analee tricotava para  afugentar preocupação pois sabia que John iria castigar Blue. Mas ela não ousaria intervir. Mais uma vez seus pensamentos vagaram.  Força Analee !! Força !  Seu filho já está nascendo. Oh meu Deus.. me ajude. É um menino, Analee. Um garoto lindo como a mãe. Então colocaram a criança junto a ela .Meu filho. OH ! John... nosso filho nasceu.  Os gritos de John e do filho a trouxe de volta ao mundo atual. De repente a porta da sala se abriu e Buck entrou e também entendeu que o sobrinho estava em maus momentos. “OH! Buck eu estou com tanta pena de Blue” Analee choramingou enquanto tentava tricotar. Buck suspirou, ajeitou mais a lenha da lareira e pegou uma xícara de café. “Eu penso que Blue já está grande para ser surrado, Analee mas quem tem que pensar assim é seu marido.” Estava com um semblante também penalizado mas também não poderia intervir junto ao irmão. Passos fortes na escada, denotaram que John  estava descendo para a sala. Seu rosto estava marcado pela raiva quando dirigiu-se ao irmão: “Buck, se Blue tornar a se embriagar eu vou pensar que você o está influenciando. Então..” “Calma, John. Eu não tenho nada com isso..” Buck se defendeu também com raiva.  “Calma.. por favor.. John.. Buck”  Analee se colocou entre os dois irmãos e sem se controlar, enterrou a cabeça no largo peito de John e chorou  convulsivamente.  John a abraçou lembrando dos argumentos do filho.

 

Ainda tinha resto de noite. A chuva fria e fina fez o despertar de  Analee ser penoso. Ela não conseguiu dormir e a angústia teimava em apertar o seu coração. Meu Deus ! Blue precisa se conciliar com pai. Eles precisam muito do Senhor. Eu estou com medo que eles se afastem. Blue já é praticamente um homem mas eu também entendo que ele age como um menino. Mas é a personalidade dele. Blue é um artista. Tem alma de artista; sensível. Meu Deus. Ajude meu filho. Eu tenho medo por ele. Tenho medo que ele sofra. Ela lavou-se trocou de roupa. Ao passar pela porta do quarto de Blue, ela abriu um pouco a porta e observou o jovem que ainda dormia. A lamparina  ardia em chama baixa e lenta. Ela aproximou-se e ficou observando o filho. Sentou ao seu lado e lentamente colocou uma das mãos em suas costas. Blue suspirou e acordou.  Virando-se, ele viu a figura da mãe. “Calma, filho.. Levante- se.. seu pai precisa de você”  Blue sentiu um ímpeto de abraçá-la mas tornou a deitar-se. Então com um rancor e mágoa na voz ele perguntou:  “Mãe.. porque pai não gosta de mim.. ele ...”  “Não, filho !! Não fale assim de seu pai. Ele o ama muito. Ele sempre sonhou em ter você. Mas entenda ele filho. Seu pai anda muito preocupado com a nossa situação financeira e  ..”  “Não mãe.. não” Blue cortou ela.. Ele mudou comigo... sim.. Acho que pai mudou desde que voltou da guerra. Ele veio diferente, mãe.. mais duro, mais severo...Eu  sinto falta de como ele era antes, mãe. Eu quero ele como antes da guerra.. mãe.” Blue calou-se. Analee sentiu as lágrimas inundarem seu próprio rosto, levantou-se rapidamente e deixou o filho sozinho com seu pranto.

 

 Espero que seja um bom dia, Analee. Aonde está o irresponsável do meu irmão?” John já se sentara a mesa e denotava um amargo tom na voz. “ e olhe aqui Analee, não adianta me olhar assim. Blue merecia, sim, levar uma surra mas desta vez ele escapou do castigo. Este rapaz precisa crescer. O tempo que eu fiquei fora, na guerra, forma muito ruins para ele. Blue muitas vezes me parece muito irresponsável e imaturo” John falava, enquanto mastigava firmemente o pão de centeio. Analee também já se sentara e apenas escutava o marido, como sempre fazia. Sentiu-se aliviada por Blue não Ter sido castigado e se surpreendeu por John ter mudado de idéia. Geralmente John é implacável com o filho e a mão disciplinadora sempre foi a forma de conter os impulsos de Blue. E ela ousou em  intervir na rígida disciplina que o marido impunha muitas vezes a ele.

 

A porta foi aberta bruscamente e Buck entrou com os cabelos ainda molhados.

“Bom dia pra todos. Cadê meu sobrinho?” perguntou já sabendo a resposta. Apenas para provocar John. E ele nem respondeu. Continuou mastigando e mastigando.

“Blue ainda não desceu, Buck. Você pode chamá-lo para o café?” Analee pediu, receosa da reação de John. Geralmente ele não permitia que o filho se  sentasse à mesa quando ele cometia uma indisciplina. Mas desta vez continuou calado e comendo.

“Irei sim, cunhada. Afinal meu sobrinho deve se alimentar para se livrar da ressaca de ontem. “ piscou para Analee e ela corou ao lembrar da cena da noite anterior.

Blue já estava de pé porém com dor de cabeça e terrivelmente enjoado. De repente a porta foi aberta e a figura divertida de Buck preencheu o quarto.

“Bom dia, Blue. Vamos descer pois você precisa se alimentar.” Buck aproximou-se de Blue e gentilmente colocou as mãos nos ombros de Blue que se mantinha cabisbaixo.

“Vamos, rapaz, o mundo não acaba toda a vez que um pai surra um filho, hem”? Buck puxou-o pra junto de si e o abraçou .

“Tio Buck..desta vez eu escapei da punição física de pai.” Blue  então contou ao tio o ocorrido que ficou feliz  por seu sobrinho não ter sido castigado.

Os dois desceram e Blue encarou o pai.

“Bom dia, mamãe. Desculpe por ontem. Eu.. ee uu.”  Blue gaguejava quando foi cortado por Analee. “Não tem importância, filho. Alimente-se para ficar bom.” Analee respondeu com doçura e observou as  marcas de choro na face juvenil do filho. Blue não se dirigiu ao pai durante o café que transcorreu em silêncio apesar das tentativas de Buck em quebrar o gelo.

 

 

 

PARTE II

 

 

“Senhor Thompson. Eu não lhe devo tanto assim” a voz indignada de John, constatava com a voz cínica do banqueiro. “Deve sim, Sr. Cannon e sua propriedade está  penhorada. Caso não pague, o banco irá lhe tomar tudo. Sinto muito”

Com um suspiro John sentou-se em sua escrivaninha e tentou acalmar-se. Analee entrou com uma pequena  bandeja contendo duas xícaras de café. Tinha escutado a conversa e seu semblante também estava preocupado. Meia hora depois o banqueiro saiu satisfeito com mais uma promissória assinada por John.

“John, tudo dará certo. Vamos conversar com os Lockets. Quem sabe eles não nos ajuda?”

Analee tentava acalmar o marido enquanto a charrete do banqueiro voltava para a cidade .John assentiu abraçando a esposa. Mas seu coração ardia em angústia.

 

O dia quente e abafado fez o trabalho na fazenda dos Cannons ficar penoso. O sol escaldante deixava o jovem Blue lento em suas tarefas .Ainda cabisbaixo e triste pelo acontecido, ele se preocupava com sua relação cada vez mais tensa com seu pai. Ainda tinha muito o que fazer e ele pegou as poucas reses e as levou até o leito do rio para dar-lhes água e aproveitar para refrescar-se também..

Blue ficou apenas de calça e descalço sentiu a água fria.. Sem sela, o cavalo sentiu-se livre para também descansar. Depois o jovem deitou-se à beira do regato, embaixo de uma frondosa árvore, enquanto observava um pássaro da região que fazia um ninho. Ele observou os cuidados com o filhote e de repente Blue sentiu um aperto no coração. Fechando os olhos as lembranças vieram à tona.  Filho, hoje é domingo. Quer pescar?? Pai.. olhe eu pesquei uma truta... Ok.. sua mãe irá preparar para nós.  Filho eu tenho que ir para a guerra, eu e seu tio. Você ficará aqui cuidando de sua mãe. Pai.. eu não quero que vá.. pai ..por favor... Filho.. você precisa ser forte.. Seu pai logo estará de volta. Cuide da mamãe. Pai...eu te amo  muito... pai.. Eu  .também, meu filho. Eu te amo muito. Eu e seu pai vamos lutar por um contra o outro, Blue Boy. Por que tio? Você pode matar meu pai? Blue... não diga isso ..sobrinho. Logo estaremos de volta e voltaremos a  ser uma família feliz.  Tio Buck..eu vou sentir sua falta..euu....Vamos, filho, não chore assim.. eu também vou sentir sua falta. Mas a guerra é inevitável.  BLUE ! BLUE!  Aonde você está rapaz. Seu pai está a sua procura.” O jovem assustou-se e voltou do devaneio. Seus olhos estavam marejados pelas lembranças mas disfarçou para que seu tio não percebesse nada.

“Blue.. você não deveria estar ordenhando as vacas? Se seu pai souber que..” Buck aproximou-se dele e o ajudou a selar o cavalo. “Já. .estou indo.. tio...calma “.

 

 

Os dias passam e  as decisões precisam ser tomadas. Analee tenta acalmar o seu coração e pede a Deus que os  ajude. À tarde ela observa o pôr-do-sol sentada no alpendre .John e Buck estão ajudando uma vaca que quebrou uma perna e  Blue foi com eles. O vai e vem da cadeira de balanço a fez  fechar os olhos e mais uma vez seu pensamento voltou atrás. Era a voz de sua mãe.Analee... Analeee... ajude-me a levar esta cesta de bolos para a festa da igreja. Coloque uma roupa bem bonita e ajeite os seus cabelos... Ah !coloque também uma fita azul... combina com seus olhos, filha.      Afinal hoje na festa você pode encontrar um pretendente. Mamãe. .eu não quero e nem preciso de nenhum pretendente. Você sabe disso.  Não me venha com esta conversa, menina. Este tal de John Cannon não serve para você. Mas ..mamãe.  NÃO SERVE E PRONTO.  Mamãe.. por favor.. eu amo a John Cannon e vou me casar com ele... Mamãe ele é um homem honesto e também me ama.. Isso não conta ,mamãe??

Analee abriu os olhos e fixou o horizonte. De longe, ouvia o sofrimento da vaca e as vozes dos seus queridos. Levantou-se foi até o quarto. Abriu a gaveta da cômoda e retirou um pequeno diário. Uma urgência de escrever a fez sentar-se na escrivaninha. Mas ela preferiu ler e seu coração encheu-se de carinho. Ao abrir o seu diário ela leu: :Hoje eu conheci um homem maravilhoso. Forte, bonito, agradável. Seu nome é John.!  John Cannon. Nos encontramos na casa de um coronel do exército, onde fui visitar sua esposa doente com a minha mãe. Meu Deus, fiquei impressionada com ele. Ele também é muito galante e também ficou impressionado por mim. Estou feliz mas mamãe não aprovou ele. Achou-o rude. Mamãe deseja que eu me case com um aristrocata para que eu tenha uma vida abastada. Eu não concordo com ela. Devemos nos casar com quem amamos.     “MÃAAAAEEE.. chegamos.. e estamos com fome.” O grito jovial de Blue a trouxe de volta e rapidamente ela guardou o diário e desceu a pequena escada  para atendê-los.

 

Mais tarde, no quarto John acendeu a lamparina e trocou sua roupa de dormir. Analee ajeitou a cama e já de camisola soltou os cabelos e começou a escová-los, Mas estava pensativa .“O que há Analee.. algum problema? Estou achado você tão distante.”  John perguntou aproximando-se dela.. “Nada, querido. Eu só estou pensativa”  respondeu ela mas seu semblante estava triste.  “Analee.. eu tenho sido duro com você.. ultimamente....eu sei que sou um homem duro e rude. Mas eu a amo ...apesar da dificuldade de demonstrar isso, Analee, eu tenho um grande amor por você. Você é uma pessoa maravilhosa... você é meu alicerce... meu,  de Blue e até de Buck” John falava com as mãos em seu ombro, olhando eu seus olhos. “Mas ...a vida é dura.. muito dura para todos nós e sei que muitas vezes você não se sente feliz” ele continuou. “OH ! John. .não fale assim.. eu  sou muito feliz .. apenas.. apenas eu estou preocupada e angustiada”  ela retrucou. MAS PORQUE ANGUSTIADA ”a voz de John  agora era forte. Ela retesou-se pela voz agressiva do marido “Por você, por nós e por Blue. OH! John.. você e Blue não se entendem. .Eu. .tenho medo” respondeu docemente com voz baixa. “Blue precisa apenas crescer...e ser mais responsável. Você e Buck mimam demais este rapaz. Isto está prejudicando ele” John retrucou impaciente. “Desculpe, querido.. eu não devia lhe falar isso agora.. Você está cansado, John.. eu sinto em seu rosto.. OH! John.. Meu grande amor” Analee recolheu-se em seus braços fortes e então um calor esquentou seus corpos. As mãos firmes de John acariciaram suas costas e seus longos cabelos loiros que caíam como cascatas.. Seus corpos agora clamavam por um contato mais íntimo e gentilmente John levantou seu singelo rosto dela  sentindo seu cálido perfume e a beijou. Um longo e doce beijo. Minutos depois, as juras de amor foram reafirmadas na cama macia e quente.

 

 

 

 

 

O amanhecer traz sempre uma esperança. Esperança de dias melhores, de confiança. Esperança. Feliz de quem ainda tem esperança.

 

As tarefas árduas da fazenda são sempre penosas para as poucas mãos disponíveis .Mais uma cabeça de gado tinha morrido. As dívidas cresciam. As preocupações vincavam o rosto másculo de John. De seu cavalo ele observava a sua pequena propriedade e avistou a figura pequena de Analee batendo as roupas em uma tina. “Pai.. pai... eu posso ir até a cidade com tio Buck.. Ele vai comprar munições e também eu preciso ferrar o meu cavalo” Blue falou com sofreguidão pelo esforço da corrida.. ”AH ! e mãe também está precisando de provisões” ele completou ansioso. “Tudo bem, filho. Mas fique de olho em seu tio. Você já sabe por que” John falou com um riso.  “Sim. .senhor. Eu tomarei conta dele” o rapaz deu também sorriu e  iluminou o seu rosto juvenil. “Pai. .eu  queria me desculpar por ontem.. a bebida”   “Tudo bem ..filho...Vá”  então Blue  afastou-se a galope em direção à cidade. É um bom rapaz. Analee tem razão. Mas eu preciso endurecer ele.. John pensou  ao observar o filho sumir em uma nuvem de poeira.

 

A cidade fervilhava com a chegada da diligência. O vai e vem de pessoas,  o pó da rua ressequida.

“Blue !!!  que sede dos infernos. Vamos .. venha com seu tio... vamos tomar um drink primeiro” Buck falou, piscando um olho para o jovem. “Não. .tio.. nós vamos primeiro comprar as provisões.”  Blue falou enquanto segurava um braço do tio para detê-lo diante do saloon. “Vamos, rapaz. É somente para refrescar.” Buck virou-se e o abraçou forçando a entrar. O saloon estava cheio, barulhento, com cheiro bebida, perfume barato e fumaça de charuto. Algumas mulheres com maquiagens carregadas, vestidos sensuais, decote ousado faziam parte do cenário. “Buck.. OH Buck.. que bom você estar aqui” Dolly gritou pendurando-se em seu pescoço e colando um beijo nele. “Querida.. vim somente por sua causa” ele retribui o beijo com um sorriso e seguiu para o balcão. “Tio Buck.. tio Buck.. beba logo e vamos. Pai disse”   “Ora, sobrinho, acalme-se.. Seu pai não está aqui. Vamos, rapaz, relaxe. Olhe em volta. Veja quantas mulheres para lhe divertir” Buck cortou o sobrinho que continuava impaciente. “Eu não preciso me divertir aqui, tio Buck. Pai me pediu para não demorarmos e eu não quero desobedecê-lo”  Blue retrucou zangado. “BUCK, BUCK, MEU AMIGO” um homem aproximou. “Que bom ver você!  Vamos jogar uma partida de pôquer !”    “BENJAMIM !! eu também estou contente em vê-lo. Antes do pôquer, que tal um wisque?”  Buck retrucou piscando para ele.  Com um suspiro, Blue deixou o saloon e resolveu ele mesmo comprar os suprimentos.  A cidade estava abafada e Blue caminhou rapidamente e entrou no armazém para as compras. “Olá  Blue. Você não tem aparecido por aqui” Louise  Locket o cumprimentou alegremente. “Como vai, Louise” Blue respondeu com um sorriso . “Bem.. você tem razão.. Eu, realmente não tem vindo muito aqui na cidade. Estamos com muito trabalho e”  ..  “Papai .. disse que vocês vão partir?” ela o interrompeu com um olhar ansioso. “Bem..eu  ..acho que sim” Blue não gosta muito de falar de sua privacidade. Mais uma característica herdada do pai. “AH ! com licença, Louise. Sr. Harrison, por favor, veja estas provisões.  Louise.. bem. .é que ..nós poderíamos conversar outra hora é que.....eu tenho que ir ao saloon....quer dizer ..eu tenho que ir buscar tio Buck..”  havia um pequeno embaraço na voz dele “Claro, Blue. Não precisa ficar nervoso. Recomendações à Sra. Cannon.”  Louise se despediu dele  e Blue a ficou observando enquanto ela se afastava. É uma moça bonita . “Sr. Harrison, eu deixarei as compras aqui. Pegarei mais tarde” Blue tocou na aba do chapéu e deixou o estabelecimento comercial.

O alvoroço era de homens xingando por causa de jogo, bebida e mulheres. Blue deixou a fumaça dos cigarros se dissipar e então avistou seu tio já bastante embriagado, tentado a sorte no jogo. Mas ao que parece, encontrou o azar. “Blue..Blue..meu querido sobrinho... venha até aqui” A voz arrastada era um sinal de muito álcool. “Tio Buck.. vamos voltar. Pai está precisando de nós.”   Blue recriminou o tio e se zangou quando ele o empurrou para uma corista. “TIO BUCK.. PARE COM ISSO” Blue se afastou mas Buck não lhe deu ouvidos e voltou-se para o balcão. “Tio Buck.. desculpe-me ... tio Buck. .vamos voltar. Pai está sozinho com mãe e pode estar precisando de nós.” havia urgência na voz do rapaz. “Ora,  rapaz, acalme-se. Tome um gole .Isso  lhe fará bem”  Buck o segurou e forçou ele a beber um trago de uísque. Blue engasgou e cuspiu o líquido com raiva. Mas sem nada poder fazer, resolveu sentar-se um pouco mais afastado.   “Ora, ora, o que eu vejo aqui. Um belo e galante rapaz” a corista aproximou-se dele. Vestia-se com exagero e também tinha um cheiro enjoado de cigarro e perfume barato. “Posso sentar-me?”  “Claro. .tudo bem..” Blue continuou sério . “Bem.. você me parece um jovem que não tem muitas  experiências com mulheres. Advinhei?” A experiente mulher tocou em suas mãos enquanto falava com sutileza. “An! Ah.. sim.. ou melhor. .não..  é que”  Blue gaguejou embaraçado. “Calma, querido. Eu me chamo Molly  e tenho um jeito especial com rapazes do seu tipo”  Blue piscou um pouco e a observou. Era jovem,  mas aparentava mais idade. Marcas de uma vida dura e desregrada.  “Aceita um trago?” Molly ofereceu uma dose de uísque barato e Blue engoliu de vez controlando-se para não tossir. “Bem.. você não vem muito aqui. Jovens como você precisam se divertir mais.” Agora ela alisava seu braço, sentindo seus pelos arrepiarem-se. “É...que...eu não tenho muito tempo livre”  ele  agora  sentia um calor tomando conta de seu corpo. Ela então maliciosamente colocou mais uma dose de uísque e o fez engolir. Mas Blue estava gostando do que sentia. Uma sensação nova. Tinha vergonha de admitir mas sua experiência sexuais eram muito resumidas. “Tio Buck sempre me diz que eu preciso me iniciar e eu penso que o sexo tem que ser por amor. Mas o que eu estou sentindo agora? Meu corpo está pedindo isso”  Temos um lugar no andar de cima. Vamos subir e ficarmos mais reservados” Molly agora levantou-se e o pegou pelo braço forçando-o a se levantar. Blue titubeou um pouco voltando à realidade. Pai, vai me matar. Estamos atrasados.  Mas ao observar seu tio na mais completa jogatina, ele aproveitou e subiu a pequena escada sem ser visto.

Um quarto decorado com motivos femininos mas de gosto duvidoso, muito dourado, muitas plumas, uma larga cama de casal com uma colcha envelhecida, o tecido que forrava as paredes com alguns rasgos e uma penumbra apesar de ainda ser dia. Havia alguns vestidos espalhados pelas  cadeiras. Blue ficou em pé observando a mulher, totalmente embaraçado e sem saber como agir. De repente Molly despiu seu vestido de corista e ficou apenas com as roupas íntimas. Fartos seios ficaram quase à mostra. Languidamente ela caminhou até ao envergonhado rapaz e começou a acariciar seu rosto. “Você é belo, rapaz. Muito belo e também muito sensível”  ele ficou mudo mas fechou os olhos aceitando a carícia. Então Molly com destreza desabotoou sua camisa e a tirou. Suas mãos agora passearam pelo peito de Blue. Ela encostou seu rosto em seu pescoço, sentindo sua pulsação e o mordeu levemente.  Blue estava totalmente excitado e arrepiado. Sua virilidade já estava à mostra. “Eu.. eu não .. acho ..”  “Calma, rapaz.”  Deite-se. Ele apoiou-se no travesseiro e então ela o iniciou com destreza.

 

Analee e John almoçaram sozinhos e aproveitaram para sonhar com  a partida para o Arizona. “Se vendermos estas terras, teremos dinheiro suficiente para recomeçarmos no oeste” John  estava animado com a possibilidade de crescer e construir um império do gado. Sim, Analee, eu sei que será árduo mas temos Buck e Blue e além do mais podemos contratar mais homens. “Claro querido.. Tudo vai dar certo”  a doce mulher sorriu para ele e sentando-se ao seu lado pegou no tricô. “Bem.. vou aproveitar e arrumar os livros fiscais. Tenho que mostrar a Locket e situação destas terra” John caminhou até à sua escrivaninha e pegou o grande e usado livro fiscal,. Mas ao folheá-lo ele deixou cair alguns papéis com vários desenhos. “QUE INFERNO É ISSO AQUI?  a raiva tomou conta de seu semblante ao ver que os desenhos eram de Blue. “ESTE RAPAZ NÃO TEM O QUE FAZER, ANALEE? Como pode ter tempo para brincar de desenhos” vociferou. “John...calma...Blue.. ele.. ele gosta de desenhar e não faz no seu horário de trabalho” ela gaguejou um pouco ao defender o filho e seu coração de mãe se apertou. “GOSTA DE DESENHAR?  e ainda coloca estes malditos desenhos no meu  livro fiscal”. “John.. por favor” Analee ficou um pouco tensa. “Olha, aqui Analee.. Blue não pode ir para uma terra selvagem com este jeito sensível ou sei lá o que.” John retrucou também tenso. “John..Billy precisa .. precisa de seu carinho” “ELE  PRECISA SER DURO.  SER FORTE...  ELE PRECISA CRESCER, ANALEE” John cortou a esposa com agressividade. “NÃO !! JOHN!!  Ele também precisa de amor.. de seu amor. Eu sinto que vocês estão se afastando, John, .e.e .. Billy.. ele também acha isso” . “Então ele também pensa assim. Este menino está sempre contra a mim. Eu sempre achei que ele é que não me ama.” John estava agora carrancudo e magoado. “OH ! John.. isso não é verdade. Billy o ama desesperadamente”.  Analee falou com voz engasgada e levantando-se disse “eu preciso arrumar o nosso quarto.Com licença, John” então ela subiu a pequena escada deixando John sério e taciturno, atualizando seus livros.

 

Ao entrar no quarto, Analee não se conteve. Chorou copiosamente e sentiu necessidade de escrever em seu diário:  As vezes tenho vontade de partir. Voltar. Deixá-lo. OH! Meu Deus,  John é muito duro. Mas não posso abandoná-lo. Não.. isso não.. eu amo demais esse homem rude. Eu tenho que ficar ao seu lado. Eu não conseguiria ficar sem o meu John. Oh ! Meu Deus, me ajude a entendê-lo e faça com que Billy também o compreenda e jamais deixe de amá-lo. Aconteça o que acontecer, não afaste Billy de John.  Eu sei que John não suportaria Ela fechou o diário enxugou as lágrimas que desciam feito cascata em seu rosto angustiado. Depois descansou um pouco na cadeira próxima à cama e seu pensamento voltou ao passado.

Um passeio pelos arredores, John? Eu adoraria..”  Analee ficou radiante com o convite. Juntos, os dois galoparam e pararam em uma colina. Desmontaram e sentaram-se. Ficaram em silêncio e de repente John comentou “Sei que sua mãe não deseja nossa união.. mas eu não consigo mais viver sem você.  Mas entenda, Analee.. não será uma vida fácil para você. Eu  que..”  “John.. por favor...não diga mais nada.. Eu quero me casar com você ou não casarei com mais ninguém”  Ela  o interrompeu suavemente . John então virou-se para ela, pegou seu delicado rosto com as mãos calosas e ternamente a beijou.  “Quero ter muitos filhos. Quero vê-los crescendo saudáveis, Analee. E quero viver com você até o fim de minha vida.”  a voz de John denotou um pouco de emoção. Analee tremeu também emocionada. Ao olhar para aquele homem viril, rude e agreste seu corpo clamou por um contato mais íntimo. Ela ficou em pé e caminhou um pouco. Precisava de ar. John a ficou observando.. Depois a seguiu. Analee encostou-se em uma frondosa árvore e John se aproximou dela. “Tenha certeza que eu serei o melhor marido do mundo. Eu lhe farei muito feliz, Analee. Eu prometo. Sei que a vida será dura mas quero você ao meu lado até o fim de minha vida. Então se aproximou mais e  colou seus lábios sedentos em sua boca.. O contato foi ficando perigosamente íntimo. Beijos, fortes abraços, mãos que se tocavam avidamente e muita emoção. Uma forte e bela paixão. Freneticamente John tentou desabotoar sua blusa de renda e parte dos seios de Analee já estavam à mostra quando ela alarmada titubeou.. “não John. Não. .por favor. .não é certo.”   “Calma, Analee. Vamos nos casar..” John tentou acalmá-la  mas não parou as investidas. A excitação os deixou fora do controle. O beijo prolongado quase tirou a respiração deles, a boca de John passeou pelo pescoço dela e já tocava os seus seios. Ela arquejou e reagiu com força. “NÃO E NÃO !! ela agora o empurrou e ruborizada tratou de compor-se, fechando a blusa. Ele aquiesceu e com um longo suspirou a acalmou. “Tudo bem, querida. Falta pouco para nosso casamento.”  Analee voltou à realidade com um sorriso e novamente fechou os olhos e seu passado veio a tona.

Que Deus abençoe esta união. Amém. OH !John estou tão feliz.  Parabéns meu irmão. Cuide bem dele cunhada. Claro, Buck.. eu cuidarei.  Você está linda.  Sr. Cannon, cuide de minha Analee.  Ela é um bibelô de fina porcelana e merece ser muito feliz.

Ela voltou à realidade emocionada. São tantas boas lembranças. Quase 20 anos. Quase 20 anos de amor, de angústias também. Mas eu entendo o meu John. Tornou a abrir o diário e encontrou a página de suas núpcias. Hoje foi a minha primeira vez e foi com o homem da minha vida. Após casarmos, nos despedimos de nosso poucos amigos que compareceram à cerimônia simples e fomos para a nossa casa nos arredores da cidade. Minha noite de amor foi coroada por muito romantismo. Nosso quarto foi decorado por flores do campo perfumadas e uma bela colcha bordada  herdada de minha mãe, cobria o nosso leito nupcial. Eu usei uma fina camisola branca de cambraia, meus cabelos soltos adornado por uma fita de cetim também branca e lembro da grande emoção ao ver o meu  marido entrando no quarto com um buquê de flores colhidas por ele. A luz baixa da lamparina deixava o quarto na penumbra e da pequena lareira o gostoso calor aquecia os corpos e seus corações. John me abraçou e me beijou, a princípio com  calma e depois ardentemente. Nossos corações batiam no mesmo compasso, bem rápido, eu quase podia ouvir. As respirações já estavam ofegante. De repente meu marido puxou  a alça da minha camisola deixando meus ombros à mostra. Ele colocou seus lábios neles e os beijou. A camisola languidamente escorregou e meu corpo ficou à mostra embora escondido pela penumbra. Então timidamente eu abri a sua camisa e senti o seu peito forte. Voltamos a nos beijar sofregamente. Meu marido, então, me carregou e me colocou na cama. Suas investidas nada tímidas me  fez ver o quanto ele tinha experiência mas quanto carinho , quanta doçura, quanta compreensão com a meu embaraço virginal.Então eu senti sua firmeza e ele me tornou mulher. Foi lindo.

“Analee, os rapazes estão chegando e parecem que estão embriagados”  a voz de John trovejou, trazendo ela de volta a realidade. Com um suspiro ela desceu para esperar  Buck e Blue.

 

No dia seguinte, Analee  preparou um pacote de provisões para Blue e Buck que iriam passar a a noite ao relento. John os mandou fazer este serviço duro talvez para puni-los pela bebedeira na cidade no dia anterior. Blue mais uma vez foi  repreendido duramente e o impaciente pai não queria vê-lo por perto. “Mas ..pai..  eu não tive culpa.. tio  Buck..”    “CALE-SE, RAPAZ. EU NÃO QUERO OUVIR SUAS DESCULPAS E NEM TAMPOUCO VOCÊ DESENHANDO EM SEU HORÁRIO DE TRABALHO, OUVIU BLUE?”  a voz enérgica e com raiva do pai encheu o recinto. Blue tentou argumentar mas preferiu calar-se.  E uma raiva cresceu dentro dele. “Pois bem.. vocês dois irão dormir no relento. Tem um boato que ladrões estão roubando o gado. Eu quero vocês dois de guarda no pasto.” A voz agora era pausada mas raivosa. “Irmão.. veja.. bem.. eu posso fazer isso sozinho” Buck falou massageando a cabeça dolorida pela bebida. “NÃO !! BLUE IRÁ TAMBÉM”  .  Analee apareceu com os alforjes cheios de comida para os rapazes e dirigiu-se ao cunhado “Buck, tenham cuidado e cuide de Billy”.  “Não se preocupe, mãe. Eu também sei me cuidar.”  Blue foi quem respondeu e aproximou-se dela deu-lhe um  terno beijo na testa. “Oh ! Blue !  Deus acompanhe vocês. .eu estou tão angustiada”  “Analee. Pare com isso. Blue não está indo para nenhuma guerra”  John a cortou incomodado com a manifestação de carinho da esposa para com o filho. Os dois rapazes montaram e sumiram na escuridão.

 

“Tio Buck o que você está achando de nossa ida para o Arizona?” Blue perguntou ao tio, enquanto admirava o céu cheio de estrelas. Estavam deitados com as cabeças apoiadas nas selas. Os cavalos, livres do peso, também descansavam. “Hum..eu acho que será bom conhecer outros lugares, novos saloons, novas pequenas..n”  “Tio Buck.. eu estou falando sério”  Blue o cortou com um riso.. “Ah.. sobrinho ..Eu penso que vai  ser bom.  Seu pai sempre quis ter um império. Muitas cabeças de gado, cavalos, uma bela casa. É o sonho dele, Blue.  Olha, sobrinho, o homem sonha para o seu filho. É assim que deve ser. “Mas, tio Buck.. é que.. é que eu não estou aguentando mais as rudezas do pai. Ele está sempre me diminuindo, sempre me criticando. Eu tenho medo de odiar ele, tio”  Blue agora sentou-se enquanto retirava um pedaço de charque para comer. “Teu pai sempre foi assim, Blue”  “Não, tio Buck.. Eu posso ainda lembrar dele antes da guerra. Eu ainda lembro dele. Pai com carinho comigo, afetuoso ..mas depois da guerra”  Blue continuou a conjecturar. “Blue ..sobrinho.. a guerra transforma as pessoas e teu pai também veio diferente. Como eu também, voltei diferente”  “Você !! mas você é o mesmo para  mim.. e para todos nós”  Blue discordou com um flash no olhar.  Buck também levantou-se e compartilhou o charque com Blue. Após algum silêncio ele falou. “A guerra muda o coração das pessoas, filho. É tudo muito cruel , muito sangrento  aos olhos de quem luta em uma batalha. De repente o mundo explode e ao seu lado você vê a morte deitar com você. É  muito triste, Blue, tudo muito apavorante .Você ver pessoas morreram de repente. Imagine, então, eu contra o seu pai. Isso com certeza mexeu conosco. Seu pai.. bem.. ele sempre foi duro, rude ..Imagine que seu avô morreu e deixou uma pesada carga nos ombros de John. Mas você tem razão quando tem boas lembranças dele antes da guerra. Tenha certeza Blue... seu pai sempre o amou e neste curto espaço na vida dele, antes de partir para a luta, ele conseguiu demonstrar o afeto que vive bem escondido naquele coração de pedra. E ele demonstrou ISSO  para você. Lembre-se disso, sempre.”  Blue abaixou a cabeça enquanto ouvia seu tio. Seu coração sensível estava dolorido. Uma tristeza tomou conta dele e também uma profunda angústia. “Mas, tio ..pai parece provar o contrário a todo o momento. Às vezes eu percebo uma tristeza nos olhos de mãe.. e sei que é por causa dele. Da rudeza dele” “Ora, Blue...John ama demais a Analee.. você está sendo injusto”  Buck o cortou censurando. “Eu sei disso, tio. .mas pai precisa se controlar. Ele só sabe punir, gritar, brigar..”  agora a voz saiu em desabafo e parou com um engasgo.  Buck fez silêncio mas depois levantou-se pegou a espingarda e saiu para uma ronda, deixando o rapaz entregue a seus pensamentos. As estrelas ainda estavam no céu mas o sol já se anunciava no firmamento. Blue levantou-se dolorido pela noite mal dormida no chão duro e observou que seu tio ainda dormia. Sentiu um grande afeto por ele. Com certeza, tio,  você é meu suporte. Caminhou com cuidado para perto de um regato e tirando a camisa  e as botas  entrou na água gelada para banhar-se. Sentiu-se melhor  e continuou na água observando o nascer do sol. Seu pensamento voltou-se para a corista. As lembranças das sensações o fez sorrir de prazer. Molly, Molly, minha pequena.. você foi maravilhosa .Tio Buck tem razão. Mas ele nem pode sonhar com isso, Molly. Então o jovem tornou a mergulhar na água fresca para aplacar o fogo que crescia nele. Minutos depois, Blue saiu da água e secou-se ao sol. Ouviu seu tio gritando por ele. Teriam que voltar para a casa e continuar as árduas tarefas. “Blue.. vamos ..Blue”  havia urgência na voz de Buck. Blue apressou-se e o encontrou selando os cavalos rapidamente. “Vamos, rapaz. Parece que um bando está se aproximando.. vamos, Blue”  . Blue obedeceu rapidamente, calçando as botas ainda vestindo a camisa e tentando selar em seu cavalo. Mas um estrondo, uma dor lancinante, o ar faltando e o mundo escureceu.

 

Analee  encostada no pórtico do alpendre olhava o horizonte com um vinco de preocupação marcando seu rosto mal dormido. O barulhinho do  sino do vento ajudava a acalmá-la..

“Analee, eu já coloquei a água quente na banheira e ... venha que eu a ajudo” John aproximou-se dela e viu a preocupação em seus olhos “OH ! John !!  Blue e Buck ainda não voltaram.”  “Bem.. eu sei.. que.. fui muito duro com os dois. .eu também estou preocupado, Analee.. eu acho que não deveria ter mandado eles para o relento sozinhos.. Eu vou buscá-los.”

 

 

“BLUE !! BLUE BOY !  NÃO !!  VOCÊ NÃO PODE IR !!” o desespero da voz de Buck enchia o lugar. Blue jazia desacordado. Do seu lado esquerdo o sangue fluía encharcando a camisa ainda semi-aberta. Sua respiração era estridulosa e difícil e seu corpo tremia. Buck ajoelhou-se ao seu lado e colocou um mão debaixo de sua cabeça e encostou seu rosto nele para sentir os batimentos do seu coração.  “Tio..Buck.. ai  está  doendo ..o que aconteceu..” o rapaz arfava e tentava desesperadamente manter os olhos abertos. “Tio .. eu não consigo respirar. eu..”  “Acalme-se, filho.. você vai ficar bem.. acalme-se”  O rapaz debatia-se, virando a cabeça de um lado a outro e tremendo,  de repente ele desfaleceu. Buck gritou em desespero. “NÃO.. POR FAVOR.. FILHO.. NÃO MORRA... BLUE.. VOLTE BLUE..MEU DEUS ME AJUDE.. ME AJUDE A LEVAR ESTE MENINO VIVO PARA A CASA” .  Buck pegou a sela e encostou em uma árvore para fazer tipo um apoio. Com cuidado carregou o rapaz e o colocou deitado. No esforço o sangue ensopou mais ainda o seu corpo. “Meu. .Deus.. ele está tendo uma hemorragia. A bala dentro do seu corpo .. fazendo estragos nele. Meu Deus ..me ajude...ajude ele...” Então ele pegou a camisa de Blue, rasgou em alguns pedaços e fez uma bandagem trespassando pelo peito do rapaz, apertando com firmeza. Blue gemeu e tentou tossir.  “Calma.. calma, filho.. Blue..me escute..filho abra os olhos.. vamos..Blue.” a voz de Buck estava trêmula, gaguejante e desesperadora. Blue abriu os grandes olhos azuis e falou entrecortado “Eeuu.. eestou  bem.. nãaao  se” mas não conseguia terminar a frase.. um  lágrima descia pelo canto de seus olhos. Um quadro de dor e medo.  “Blue.. filho.. escute.. você levou um tiro, os ladrões levaram os cavalos e algumas cabeças de gado.. e nossas armas. .só nos deixou a sua sela.  Blue..é o seguinte.. você vai ficar aqui deitado.. bem quieto..você”    “não.. tio.. eu não quero ficar aqui.. sozinho..”   “Calma.. calma.. eu não tenho como levar você para casa sem cavalo e sua.. bem .. sua situação é grave. .Blue. .escute,  filho ..Blue você precisa cooperar.” Buck tinha a voz cortada pela emoção e lágrimas também já enchiam seus olhos. Blue ficou em silêncio, concentrando-se na sua respiração. Buck colocou a manta em cima dele para aquecê-lo mais, deu-lhe um pouco de água depois tirou seu pequeno frasco contendo uísque e encostou nos lábios do rapaz. “filho.. beba um pouco.. vai  se sentir melhor”  Blue rolou a cabeça recusando a bebida e o esforço o fez tossir e agitar-se;. “está  bem. .calma. .calma... Eu vou buscar teu papai e vamos levar você daqui.”  Blue assentiu com os olhos fechados.

 

 

A água tépida da banheira de cobre, relaxou o corpo cansada de Analee. Demorou mais do que o normal na água. Sentia necessidade da água em seu corpo. Enxugou-se lentamente e de relance viu seu corpo refletido no espelho. Um corpo miúdo, sem a exuberança de carnes mas ainda  com as formas da juventude lhe delineando a silhueta ,apesar dos tempos. Analee vestiu-se e prendeu os loiros cabelos com um coque e abriu a janela para arejar o quarto. Mas ainda estava angustiado. Meu Deus.. o que está acontecendo...... Estou com peso no meu coração. Como um mau presságio. De repente a porta do quarto se abriu e ela viu a figura máscula do marido. “Analee.. eu vou atrás deles” John falou com voz grave. “OH !John.. tenha cuidado.”  Ela o abraçou e ele aspirou o perfume suave de seu corpo. Desceram e Analee  o esperou no alpendre ,enquanto ele selava o seu cavalo. De repente , ao  perscrutar o horizonte, ela viu a figura de um homem que corria com dificuldades em direção ao portão. Apertando os olhos para visualizar melhor, Analee gelou e depois seu coração disparou quando reconheceu o cunhado sozinho.  “JOHN  !  JOHNN.. MEU DEUS  É BUCK..JOHN “  John saiu do estábulo rapidamente, preocupado com os gritos da esposa. “É BUCK.. E ESTÁ SEM O BLUE. ACONTECEU ALGUMA COISA COM NOSSO FILHO, JOHN”” ela agora estava desesperada e se abraçou a ele. “ACALME-SE.. ANALEE.. “  John  a  sacudiu. “Calma ..por favor..” ele a afastou e foi correndo ao  encontro do irmão... “BUCKK.. BUCK.. QUE  ACONTECEU.?. AONDE ESTÁ BLUE?.. AONDE ESTÁ MEU FILHO, BUCK?  John arfava quando chegou junto a ele.  Um medo.. um medo terrível de ouvir a resposta.  Buck era a figura da desolação. Cansado, a roupa encharcada de suor misturada à poeira, lábios ressequidos pela sede e calor. “John.. fomos. atacados.. hoje cedo ..John ..Blue..  Blue”   “FALE, BUCK.. O QUE ACONTECEU COM O BLUE? “John o sacudiu pelos ombros, impaciente e apavorado. “Blue.. fomos atacados ..ele está mal. .John.. Ele foi baleado.. ele .. ele ..ficou lá ..na clareira.. eu”   “Vamos.. Buck.. vamos buscá-lo.. vou selar mais um cavalo..”  “NÃO. .JOHN. .espere. .irmão.. Blue não suportará voltar a cavalo ..temos que levar uma carroça”  “mas.. levará mais tempo” John retrucou nervoso. “Não tem jeito, irmão. Vamos pegar a carroça.” Buck o abraçou e foram em direção a Analee que estava desesperadamente chorando.

 

 

Blue arquejava e seu lado esquerdo doía terrivelmente. Arrepios de frio já denotava uma febre instalada. Tentou se levantar mas a tosse o impediu. Blue estava com medo. Medo de morrer sozinho. Por que eu não estou enxergando nada. Está tudo escuro. Sinto frio, sinto dor... meu Deus .. não me deixe morrer aqui sozinho. Tio .. onde você está.. volte aqui.Não sinto meu braço esquerdo.. mãe.. pai... onde vocês estão.. Seu corpo estava em chamas, náuseas já se fazia presente mas ele não podia se levantar. O que está acontecendo.. aonde eles estão.. por que pai não chega.. tio.. tio Buck. Quero água.. estou com sede ..tio..  pai. .mãe. O mundo escureceu para Blue outra vez.

 “Filho.. filho ..... Blue... acorde.” a voz vinha de um John terrificado que dava leves tapas na face do filho.  Blue abriu os olhos e viu o rosto de John sobre ele. “P a..i ?” mas gemeu ao tentar se levantar. “Calma, filho.. você parece que desmaiou?Sente-se melhor?” o semblante era preocupado. Mas ao tentar se levantar um dor violenta o fez se encolher nos braços de John. “Ai.. ai... ta doendo...tá doendo, pai.  Aii.”  Blue gemia alto. “Calma, e filho. Você está ferido “ John, agora estava bem aflito. Sozinhos e longe de casa.

 

 

“OH, John. Ai meu Deus”  Analee abraçou o marido enquanto observavam o filho que jazia na cama.”Calma Analee. Por Deus, tenha calma.”  John a reconfortou e afastando-a sentou-se na borda cama de Blue, para colocar uma compressa de água fresca em sua testa febril. “M m..mãe... ppaaii. .......” Blue ofegava e gemia. Aii.  Está doendo.”  “Calma filho, o médico já está vindo. Tente relaxar” John pediu com a voz baixa mas enérgica. tentando confortá-lo.  “Beba um pouco deste chá, filho” Analee segurava uma caneca enquanto John o ajudava a levantar-se. Mas o esforço fez o rapaz vomitar e a dor voltou impiedosa.

Neste momento Buck entrou com o médico que imediatamente sentou-se  ao lado de Blue e tratou de examinar o rapaz.  Observou a ferida e sentiu a bala ainda alojada. Próxima do coração. Seu semblante tornara-se grave e preocupado. Um filete de suor escorria de seu rosto.  Todos estavam em silêncio. Ouvia-se apenas a respiração ofegante e os gemidos do rapaz.

“Sr. Cannon, seu filho está muito ferido. A bala transfixou em uma costela. E ele tem indícios de infecção. Precisa ser operado imediatamente.”

“Oh, meu Deus.. “ o grito abafado e choroso veio de Analee. John continuou impassível e Buck correu para junto do sobrinho.

“Como ? Aqui não tem hospitais!” John inquiriu sério. “Sei disso, Sr. Cannon. Infelizmente a guerra ainda não recuperou este lugar. Mas não tem jeito. O rapaz tem que ser operado e logo. Será penoso demais para ele mas terá que ser aqui. Tenho um pouco de  éter e tenho vocês dois para segurá-lo” o médico finalizou.

 “Preciso que cada um de vocês o imobilize. É preciso que ele não se mova. Sra. por favor queira sair deste recinto. Poderá ser muito forte pra uma mãe” o médico ponderou. Analee aproximou-se de Blue, confortando-o e beijando –lhe a testa e saiu rapidamente pra chorar livremente no alpendre de lenha.

 

Da maleta, o médico retirou um vidro escuro que continha um líquido e outro vidro com algumas pastilhas. Deu ao rapaz com um pouco de água. Depois embebeu um lenço com éter e pediu que Blue aspirasse. Com um torpor o corpo amoleceu e suas pálpebras pesaram.

“Segure ele firmemente” Com uma lanceta, o Dr. Jenkis deu rápido golpe abrindo a carne de Blue que o fez sair da letargia, pela terrível dor . Uma dor, lancinante, excruciante. Uma dor quase mortal. Debatia-se em vão, imobilizado pelo tio e pelo pai. “NÃAAAAAAAAOOO !! PARE  .. POR FAVOR..EU NÃO VOU AGUENTAR.........” “Calma, filho.. calma.”  John tentava  mantê-lo imóvel. Buck dobrou-se sobre as pernas dele para melhor deixá-lo quieto e não ver o estrago no corpo de Blue. Já presenciara vários conflitos, amputações, tiros, tudo isso no período da guerra. Mas  assistir isso no corpo de seu adorado sobrinho o deixara arrasado. Lágrimas desciam de seus olhos e misturavam-se ao suor do seu rosto. O martírio de Blue continuou por mais alguns minutos.. Depois apertou a ferida com uma bandagem. Tudo isso ao som dos gemidos, às vezes gritos, espasmos do sofrido rapaz. O rosto de John estava como talhado em pedra mas ele tremia levemente. Sofria terrivelmente mas não demonstrava. Essa era uma característica de John: Extremamente severo mas totalmente desarmado quando se tratava de ver um ente seu doente e principalmente Blue.

Do alpendre Analee  ouvia os gemidos do filho. Um sentimento de horror tomou conta dela..

 

“Sr. Cannon.. fiz. ... fiz o que pude. mas o estado de seu filho é muito grave. Gostaria de prepará-lo ..  ..para o pior. A bala atingiu ele feio. Ele perdeu muito tempo ao relento e perdeu também muito sangue. E tem a infecção, febre.. enfim Eu sinto muito. Somente Deus o livrará desta agonia.” O médico baixou a cabeça e suspirou. John sustentou o olhar para ele e sentou-se ao lado filho e pediu. “Buck.. por favor.. Buck.. vá ficar um pouco com Analee. Deixe-me sozinho com meu filho”    “Sim.. eu irei.”   Então Buck saiu cabisbaixo.

O rapaz ofegava, o corpo trêmulo, balbuciando palavras incompreensíveis em total delírio. Da bandagem colocada pelo médico já se via sinais de sangue. John tocou nas mãos dele. Um terrível sentimento de culpa, um remorso enorme tomou conta dele. E ao ver aquele corpo sofrendo, sangue do seu sangue, seu pensamento voltou ao dia do nascimento de Blue e as palavras do médico. Sr. Cannon.. seu filho é saudável mas a Sra. Cannon teve um problema de hemorragia. Ela não deverá ter mais  filhos. Será muito perigoso para a vida dela.  “Blue.. filho.. escute-me .. volte.. não se vá.. eu preciso de você. Eu te amo muito meu filho” John sussurrou no ouvido de Blue. Ele continuou imóvel.

 

 

 

PARTE III

 

 

A noite não trouxe alívio para os Cannons.  Debatendo-se em febre e agonia, o jovem Blue lutava para se manter vivo. O corpo escaldante ensopava sua roupa de suor, delírios viam à tona e dor muita dor e sofrimento no rosto angustiado do rapaz.  Dos lábios rachados pela febre, os gemidos ecoavam como balas de fogo no coração dos seus.  “Filho.. acorde.. filho... você precisa reagir.”  Era John, impotente diante da quase morte do seu único herdeiro. Remorsos  o atormentava e do rosto talhado em pedra, já se viam marcas de agonia. Analee, apesar da fragilidade, não se deixou abater. Uma esperança, uma grande esperança de que seu filho sobreviveria não a esmorecia. Ao lado do filho, ela trocava os panos embebidos em água e álcool colocados em sua testa para aplacar a terrível febre e preparou beberagens com quinino, orientada pelo médico e com a ajuda do marido, forçava seu filho a beber. “Não.. eu  não  quero... eu  ... não posso.... pai.. perdoe-me.. eu não  devia” Blue debatia-se, ofegava, arquejava. Sua cabeça rolando de um lado a outro em semi- consciência.  “John.. Analee...vocês ...precisam descansar.. Eu fico com ele.. com meu Blue Boy”  Buck apareceu no quarto.  Tinha uma péssima aparência.  Cansaço, desânimo, medo  e medo...muito medo.  A vigília foi silenciosa quebrada apenas pelos murmúrios do agitado rapaz. Mas Buck  não pregou os olhos .Em silêncio, vigiava seu martírio. E em silêncio , ele pediu pela vida de Blue. Sentia-se que como se acordado, nada aconteceria ao seu querido sobrinho.

 

Deitados em silêncio. Um silêncio que incomodava. Um silêncio que acusava. Analee e John não conseguiam também dormir, apesar do cansaço. A  angústia parecia sufocá-los. “John.. eu.. vou tomar um leite quente.. você quer algo?” a doce mulher perguntou ao marido. Mas ele não respondeu  e se manteve de olhos fechados. Antes de descer para a pequena cozinha, ela pegou o seu diário com  ela.  Analee sentou-se em um canto da sala onde uma lamparina ardia  e abriu o pequeno diário. HOJE  EU TIVE A CERTEZA QUE TERÍAMOS UM FILHO. UM FILHO PARA SELAR A NOSSA UNIÃO. QUANDO EU CONTEI A JOHN, ELE APENAS ME ABRAÇOU MAS NÃO DEMONSTROU EMOÇÃO. MAS EU SEI .. EU SEI QUE ELE ESTÁ FELIZ. É O JEITO DELE. É A MARCA DE JOHN.  DE JOHN CANNON.  As lágrimas desciam livremente pelo seu rosto. Ela ainda ficou mais algum tempo, em oração, pedindo por Blue. Antes de ir se recolher ela abriu um pouco a porta do quarto do filho e observou emocionada a vigília de Buck.

 

Os dias se passaram e milagrosamente Blue escapou da morte. Aos poucos, a vida dos Cannon foi voltando ao normal. Apenas John tinha um terrível mal-estar, um grande remorso que o atormentava.

Encostado em travesseiros confortáveis, Blue tentava dormir mas sua cabeça doía um pouco. Sua recuperação surpreendeu a todos mas ele ainda se sentia fraco. Dos olhos do rapaz havia uma nuvem de tristeza. Tristeza por sua relação tensa com seu pai, as constantes punições e críticas, as rudezas de John para com ele e com os seus. Ele foi muito mau comigo e tio Buck. Quis nos punir nos mandando para o relento naquela noite, sozinhos e ele sabia que tinha um ladrão rondando o lugar. Muitas vezes eu penso que em seu coração existe uma pedra.  Seu pensamento voltou a realidade quando ouviu a porta abrir-se e a figura singela de sua mãe aparecer com uma bandeja contendo uma tigela de sopa e pão. “Billy, você está melhor? Agora precisa se alimentar”  sentou ao seu lado e o ajudou a tomar o delicioso caldo de carne.  Quando ele terminou o ajudou a se apoiar mais na cama, ajeitando os travesseiros e a coberta. Mas Analee viu uma nuvem nos olhos do filho. Ajeitou as cortinas e depois sentou-se ao seu lado tocando em suas mãos. “Billy..o que está havendo?” Mas Analee já sabia da resposta. Blue fechou os olhos por um momento mas resolveu conversar um pouco com a mãe. “Mãe..é pai.. eu não consigo agradá-lo, mãe..eu..o que aconteceu naquele dia, eu poderia ter morrido mãe..eu e tio Buck. Ele foi muito cruel conosco.”  “Filho.. não fale assim de seu pai. Eu sei  o quanto é difícil para você esta relação tensa com ele. Sempre rude com você. Eu sei, Billy... eu ...eu também não entendo isso...mas você pode entendê-lo..”  “A guerra?  Sempre este  fantasma desta maldita guerra, mãe? Será que é somente isso?”  Blue tinha a voz trêmula.  “Billy.. calma. .por favor. .sim. .filho.. a guerra. Eu entendo a natureza de John. Todo o carinho, todo o afeto ,todo o amor que ele sente  por nós, filho,. .ele..  empurrou  para o fundo do coração.. Lá bem profundo este amor existe.  Eu sinto isso. Billy .Eu sei das dificuldade dele em expressar carinho, ternura, afeto...mas eu vejo em seus olhos, no seu semblante. .filho..eu percebo todo este amor que ele não consegue colocar  para fora....e  tente também sentir isso Billy. A guerra foi uma lacuna terrível na vida de vocês dois... e na minha vida também. Mas, com certeza para você e ele a guerra...esta guerra infeliz..roubou  este contato estreito entre pai e filho. Mas você. .você,  filho, pode resgatar isso. Você deve resgatar isso.”  Analee parou um pouco enquanto enxugava as lágrimas que teimavam em descer.  Blue também estava  com um nó na garganta e falou com palavras entrecortadas. “As vezes, mãe, as vezes eu sinto como se fosse orfão de pai..eu sinto falta dele,mãe..do pai... de meu pai...que está bem ali ao meu lado mas que eu não consigo tocá-lo,abraçá-lo, e. então eu penso.. eu tenho meu tio..meu tio Buck”  “Oh..filho..não” Analee aproximou-se mais do filho e o abraçou  ternamente e sozinhos  a tristeza tomou conta dos dois.

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Os dias passaram. Veio a chuva, o sol e  a vida passa tranquila e ao mesmo tempo trabalhosa na casa dos Cannons.

 

John observa a criação de gado espalhada pelo pequeno pasto adjacente à sua propriedade.  Tinha um semblante cansado mas sua altivez se mantinha. “Olhe, Locket além destes eu também tenho outras cabeças de gado além de alguns cavalos no pasto ao sul. A terra aqui é boa e não temos muitas interperíeis naturais. Além do mais, tem a casa sede, o curral, o estábulo Temos boa água também”  John apresentava a sua propriedade para Locket que já mostrava um certo interesse na compra das terra.  “Bem.. bem. .John...sua terra é boa e estou querendo ampliar os negócios mas não desejo me afastar desta região. Será um bom negócio para ambos... eu compro as suas terras...você quita suas dívidas e ainda leva no bolso um imensa área no Arizona. Hum ??  Que tal”  Locket limpou sua garganta e retirou o cantil e deu um longo gole. John manteve-se pensativo mas seus olhos se apertaram para alcançar os limites de sua propriedade.  “John.. eu não desejo ter um império de gado. Isso aqui para mim é o suficiente. Mas você, amigo, você pensa diferente.”  “Locket..eu acredito que podemos fazer um bom negócio. Você tem o mapa onde as terras estão?” John já sentia uma necessidade de fechar logo o negócio. “Claro.. John.. claro que tenho o mapa.”

 

O  aroma agradável de café e biscoitos sendo tostados, enchia a pequena sala da casa dos Cannons.   Sarah Locket conversava com Analee, que relatou o sofrimento de Blue e também se sensibilizando com eles. Da pequena varanda,  Blue e Louise Locket conversavam um pouco. Apesar de um certa palidez, o rapaz já estava praticamente recuperado, inclusive já montava um pouco mas sem exageros.  “Que bom, Blue.. você.. escapou desta”  A jovem ruborizou um pouco e tocou em seu rosto.  “Eu orei muito por você. Acredite”  “Obrigado.. Louise.. eu bem.. eu fico feliz por ouvir e isso .. é muito gentil de sua parte.”   Blue ficou um pouco embaraçado pela demonstração de carinho de Louise.  “Blue. É que eu estou sabendo.. vocês vão partir .Eu ..bem ..é que eu acho ..você poderia ficar, Blue. Por que não? “  a voz dela tremeu um pouco pela emoção.   “Tenho que ir ..Louise.. eu não posso deixá-los” ele respondeu  olhando para  ela. “..e .. depois.. eu não tenho para aonde ir ” ele agora deu um sorriso pelo gracejo. “Entendo...é que. . ..muitos jovens da sua idade, já buscam seus próprios caminhos...Blue.” ela completou com afeto.   “..Eu sei, Louise.. mas qual é o meu  caminho?  Blue sustentou o olhar dela. Havia uma tristeza em seus belos olhos azuis  “Blue.. você. .você desenha muito bem.. eu já vi.. lembra que um dia você me mostrou muitos deles?”  “E que papai odeia isso de mim?”  ele a cortou com um sorriso triste.  “Blue.. você  não precisa sofrer tanto.. Eu sei que o Sr. Cannon é um tanto duro com você. Converse com eles, Blue.. você pode ficar aqui e ganhar dinheiro com seus desenhos. Com certeza todos entenderão você. Então ..? “  havia uma esperança na juvenil voz de Louise. Blue não respondeu logo, apenas olhou o horizonte e sentiu-se triste mas virando-se para a garota ele foi taxativo. “Não, Louise.. eu não deixarei meu pai sozinho nessa aventura. Nem pai, nem mãe. Eles precisam de mim. Pai.. pai, apesar de nossas dificuldade, pai precisa de mim. Eu sinto isso, Louise.. Não seria justo com eles.  “ Mas é justo com você? Blue.. veja bem  ..seus sonhos talvez fiquem enterrados aqui neste lugar para sempre. Talvez você não possa levá-los com você” um engasgo e Louise calou-se. Blue sorriu afetuosamente para ela e pegou em suas mãos. “Mas eu irei com eles, Louise” Os dois ficaram observando o firmamento e Blue percebeu que Louise estava emocionada.

 

 

“Vai ser bom .. eu tenho certeza disso, Sarah” Analee sorveu um pouco de chá de maçã enquanto observava com um meio sorriso a expressão de medo da amiga. “Mas querida, só de imaginar, índios selvagens que arrancam os cabelos das vítimas,  pistoleiros, bandidos... oh.. meu Deus”   Sarah Locket estava horrorizada.  “Eu estarei bem. Eu irei com o John até o fim do mundo. E eu sei que estarei sempre protegida. Nada irá me acontecer” a doce mulher tinha um brilho feliz em seus olhos azuis e cheia de esperança ao falar de sua partida para o Arizona.

“Bem. .eu trouxe uma manta para você. Servirá para lhe proteger do frio da viagem. Apesar de eu não concordar e pensar que você correrá perigo, eu lhe desejo toda a sorte para você e sua família”  Sarah engasgou com um soluço e Analee tocou em suas mãos agradecida e disse. “Fico feliz de saber que é minha amiga, Sarah. Mas não se preocupe, eu estarei bem. Acredite. E agora que o pão está assado, vou preparar um café”.  

 

 

 

 

“BLUE..BLUE..VENHA ATÉ AQUI.” era o chamado de John  que acabava de apear com o Sr. Locket. O rapaz se afastou de Louise e foi ao encontro do pai.  “Filho.. você pode levar o cavalo de Locket até o estábulo para descansá-lo. Eu preciso ter um conversa com ele com certa urgência. Você pode fazer isso filho? Sente-se bem? John perguntou observando Blue. “Sim pai. .claro .. pode  deixar. .eu preciso mesmo me exercitar mais...” ele respondeu com sorriso tímido.   “Fico feliz em ver que você escapou da morte, rapaz” Locket falou com sinceridade. Blue assentiu com um sorriso.

John e Locket entraram na casa para finalizarem a negociação.

 

“Blue. .Blue. .por que não me  leva para dar uma volta pela propriedade.. afinal ela será minha.”  a face afogueada de Louise, denotou que ela correu para se encontrar com o rapaz.  “Bem. .é que ..é que eu tenho que levar os cavalos até o estábulos.” Blue virou-se para ela.. Seu rosto estava suado pelo esforço. Louise ficou observando e olhou em torno do lugar.  O rapaz terminou a tarefa e pedindo licença a garota, seguiu para o pequeno galpão para se lavar.  Louise ficou olhando enquanto ele se afastava.  Foi atrás dele e observou  Blue ,sem camisa, se lavando em uma pequena bacia de metal.  Então ela entrou e trancou a porta.  Blue sentiu que o ambiente escurecera e virou-se rapidamente deparando-se com Louise.  “Blue. .Blue.. eu ..eu te amo ..Blue.. eu estou mortificada por sua partida” a jovem se abraçou no surpreso e embaraçado rapaz e sentiu seu peito ainda molhado.  “Calma.. Louise.. veja bem.. não é certo.. seu pai pode nos achar.”  “Blue.. não importa.. eu te amo.” Agora Louise se afastou dele .Seu rosto estava afogueado, seus olhos brilhavam, seu corpo arquejava..   “Louise.. entenda.. se. .nos pegarem aqui.” o rapaz já não estava imune ao assédio da garota. E Louise percebeu isso.  “Blue. .por favor ..não vá” ..Blue então disse a ela. “Não.. Louise. não.. eu sinto muito .mas não”   “Por favor Blue.. eu te amo.. não vá.. por favor” as súplicas de Louise não impediu a decisão de Blue. “Não. .Não.. entenda. .não é justo.. não seria justo com você, Louise”  “POR QUE NÃO???????”   Porque.. porque eu não te amo.. eu apenas gosto de você, Louise, como uma grande amiga  mas eu não te amo e eu penso que ..que você merece ser amada.”  OH !  COMO PODE SER TÃO GROSSEIRO COMIGO? EU ODEIO VOCÊ, BLUE” Louise o deixou sozinho e saiu correndo do galpão antes que a mãe ou alguém descobrissem eles ali. Blue a ficou observando e sentiu um arrepio de prazer pelo corpo e seu pensamento voltou até Molly, a corista do saloon.

 

Xxxxxxxxx

 

“Não vamos levar a casa nas costas Analee. Vamos ter que dar ou vender algumas coisas” John fez um gracejo para Analee, enquanto decidiam o que realmente levar.  “Sim.. claro.. eu vou doar algumas coisas para a igreja” Analee  respondeu um pouco eufórica. A energia da mudança tinha contagiado a família Cannon.  John praticamente já vendera a propriedade e tinha um prazo para partirem. “Estou terminando uma colcha e uma manta para colocar na nova casa.  Oh! John.. vai ser bom para nós.... por você e por nós”  John se aproximou dela  e abraçou longamente.  Uma paz invadiu os dois corações.

 

Pai...o xerife está aqui”  Blue anunciou a John que rapidamente se dirigiu ao alpendre.

“Sr. Cannon, prendemos os ladrões que balearam seu filho e recuperamos algumas cabeças de gado.”  O xerife tinha um semblante sóbrio e contrito.

“Agradeço muito xerife. Bem.. quer entrar para tomar um café?” John perguntou enquanto observava ao longe , Buck manejando as reses trazidas por ele. “Não se preocupe com isso, Sr. Cannon. Estou apenas a serviço da lei. A propósito, seu filho parece estar muito bem.” “Sim ..meu filho está bem.” John respondeu com polidez. “ Tenha um bom dia, John.” O xerife tocou na aba do chapéu e se despediu.

 

xxxxxxxxxx

 

“Blue Boy.. agora que você escapou desta, você precisa treinar ..treinar. .vamos guerrear..Blue Boy..vamos guerrear”  Buck brincava descontraidamente com o sobrinho enquanto aguardava o momento de recolher o gado. “Tio Buck, pai disse que vamos criar muitos cavalos, lá no Arizona. Eu gosto de domar cavalos selvagens. E quero participar de rodeios.” Blue pegou o rifle para tornar a treinar tiro ao alvo.  Buck aproximou-se do sobrinho e ajeitou seu ombro e seu braço para melhor posicionar a arma.  O tiro desta vez foi certeiro. Após 1 hora de treino, de acertos, erros e muita diversão, eles pararam um pouco para descansar. Sentaram encostados em um tronco de árvore e Buck tirou do alforje um biscoito mordeu um pedaço e deu o restante a Blue. Bebeu um pouco da água do cantil e observou um pouco o rapaz que estava com um olhar distante.  “Pensando na viagem, Blue Boy? Arizona será outra vida, rapaz. Teremos um rancho, terras vastas e seu pai quer construir um império de gado. Você um dia será o rei do gado, Blue Boy” Buck agora falava sério. “Ah!  tio Buck, eu não quero ser rei de nada .Eu quero sim ir para o Arizona, lá deve ser muito bom, uma outra vida, mais liberdade, lugares vasto, terras vastas e pai precisa ir para lá, tio Buck, ele vai resolver seus problemas e quem sabe, ser mais brando”  Blue fitou o tio com um brilho faiscante em seus belos olhos azuis. Buck  pigarreou e continuou. “Sim, rapaz, tudo isso que você falou, eu também concordo. Mas uma coisa me preocupa, Blue. A vida de lá será totalmente diferente daqui. Pelo que eu sei, tenho muitos perigos lá, Blue Boy. Tem bandidos, tem a sede, o calor. o deserto e...Apaches.”  “Apaches? Indios?” o rapaz sustentou o olhar.  “Sim, Blue, índios. Lá é a terra deles. É o lugar que eles preservam, amam, nascem e enterram seus mortos. Eles tem uma cultura e um modo de vida totalmente diferente dos nossos, Blue. Eles amam a terra, o vento, o sol, a lua. De uma forma muito diferente e as vezes muito estranhas para nós. E  esta terra está temperada com o sangue dos seus antepassados e eles veneram e respeitam a memória deles e lutam e lutarão contra todos que quiserem tirar isso deles. A ferro e fogo, filho. Os Apaches estão há muito tempo em pé de guerra contra os homens brancos que invadem as suas terras, estupram suas mulheres ,matam seus homens e suas crianças. E somos homens brancos ,Blue.”       “Mas, tio.. nós não  somos bandidos.. nós..” o rapaz falou, impressionado. “Blue. .para os Apaches, nós somos apenas uma coisa: inimigos. E isso eu me preocupo e me preocupo mais por seu pai. Pelo sonho dele, Blue. Olha aqui sobrinho seu pai precisa de agora em diante que a família fique mais unida ainda”. Blue ficou preocupado e instintivamente acariciou o rifle. Sem saber o porque sentiu um aperto no coração. Apaches, índios, não, não, ninguém de minha família morrerá nas mãos deles.

 

xxxxxx

 

 

 

 

O jantar transcorreu em clima de preparativos e muitos palpites. “Iremos na carroça com o toldo de lona para uma maior proteção. E alternaremos com os cavalos.” John falava enquanto mastigava com firmeza. “Pai, eu quero treinar bastante para participar de rodeios lá”  Blue também tinha uma alegria jovial no olhar.  “Claro, filho, claro” o pai respondeu sem sorrir. “Hoje Blue Boy acertou um coelho a uma boa distância mas ele fugiu” Buck riu com gozação e com a boca cheia, piscando para o sobrinho. Analee ajudava a servir com uma calma que lhe é peculiar. “Pai. .tio Buck me falou que lá é a terra dos Apaches?”  Blue indagou olhando para John. “Sim. Lá também tem índios, bandidos, perigos. Mas também tem gente honesta, pessoas que foram desbravar aquele lugar e estão lá. E os índios lutam pelo que é seu também e temos que respeitar isso. E nós não estaremos invadindo nada deles. Certamente levaremos conosco a paz. Para sobrevivermos lá, temos que pensar em lutar pela paz e não pela guerra.” John respondeu e depois todos ficaram em silêncio e pensativos.

 

À noite na cama, John não conseguia dormir. Será que estou colocando a vida da minha família em perigo? Analee, Blue e até mesmo Buck? E se algo acontecer a eles? Eu não me perdoarei. Virou-se e observou a esposa que dormia tranquilamente. Eu estou apenas ansioso. Nada acontecerá a eles. Mas o sono não veio e os primeiros raios de sol anunciou um novo dia.

 

“Oh ! quanta gentileza. Não precisavam se preocupar mas eu fico muito agradecida” Analee falou para a pequena comitiva de mulheres, liderada pela Sra. Locket que vieram se despedir dos Cannon e especialmente de Analee. “Querida, tenha muito cuidado, afinal você está indo para  um mundo selvagem, sem civilização, cheio de perigos” Sarah a abraçou comovida. “E cuidado com os índios. Eles atiram com flechas”  era a Sra. Locket outra vez. Quando elas se foram Analee tratou de correr para arrumar as coisas na carroça com a ajuda de Blue.

 

xxxxxxxxxxxxxxx

 

 

Então os Cannons partiram. Partiram dispostos a serem felizes no Arizona.  Desbravariam a nova terra.  A Terra Prometida.

 

A viagem apesar de penosa, estava transcorrendo sem anormalidades e faltava pouco para entrarem no território agreste do Arizona. Passaram por belas paisagens, pararam para descansar à beira de riachos, dormiram ao relento observando as estrelas, entraram em algumas pequenas cidades e seguiram adiante.

 

Arizona.  Território agreste, seco, dias quentes como o inferno, noites geladas, tempestade de areia, animais perigoso, paisagens desérticas  mas de uma beleza estonteante. A sensação de estarem próximos ao destino dava força aos já cansados viajantes.  Mesmo tudo transcorrendo bem, John  demonstrava nervosismo e tensão. Buck dava o toque descontraído ao grupo e Analee tentava apaziguar as discussões  entre o pai e o filho. “Blue, Blue, não force os cavalos, rapaz. Deixe-os em paz. Desça já e suba na carroça para ajudar sua mãe”  a reprimenda do severo pai, irritou o rapaz que obedeceu zangado”  “Sim senhor”. “Analee, não é seguro acender uma fogueira aqui. A fumaça.. bem ..pode avisar aos Apaches de nossa presença”  ele falou sem rudeza mas sem ternura. “Oh..John.. como vou preparar o jantar?”  ela já sentia o cansaço e as privações. “Comeremos apenas pão com carne seca” ele falou brusco e afastou-se para uma ronda.  O frio ficou insuportável e na madrugada uma pequena fogueira teve que ser acesa para aplacar  um pouco a baixa temperatura. Da carroça, enrolada em mantas e sem conseguir dormir, Analee orava. Senhor ! Estou assustada. Esta terra, este lugar, estes ruídos estranhos. Protege minha família.

 

O amanhecer na vasta pradaria é surpreendente. O sol surge manchando de vermelho o céu ainda adormecido. Vermelho de vários tons e nuances. Um espetáculo da natureza  e que surpreende os viajantes mal dormidos. O sol, aos pouco, vai aquecendo e espantando o frio cruciante das noites desérticas. Um alívio que dura pouco. Logo o astro rei vai brilhar com força e tornar o dia escaldante e insuportável. É a lei deste lugar agreste. É um dos preços a se pagar. “Analee, tenha parcimônia com a água. Temos que racionar até a nossa chegada no rancho” John orienta  a esposa mas sem doçura, a observação irrita a mulher que revida. “John. .oh! John.. como posso fazer as coisas. Aqui é tudo difícil..tudo”  “Você sabia disso, Analee”  John a cortou com rispidez.  “John.. eu..”  mas ela preferiu calar-se. Também estava tensa, sem dormir direito e cansada. O calor já se fazia sentir, abafado, suarento. Ajeitaram as coisas e seguiram viajem. Desta vez ela se protegeu do sol dentro da carroça. O toldo de algodão cru, tornava o interior mais ameno. Blue guiava os animais e John e Buck iam a cavalo. O sacolejar da carroça fazia os utensílio baterem um no outro, fazendo um barulho irritante.  “”Analee..Analee..venha até aqui.”  A voz do marido a tirou de uma pequena soneca.  Ele a ajudou a descer.  Tinha parado próximo a uma pequena lagoa, de água salobra e escura. Uma vegetação rala com tufos de capim e a poeira vermelha. “Vamos parar um pouco. Precisamos  nos alimentar.” John falou enquanto observava sinais de cansaço no rosto da esposa. “Blue, pegue uns gravetos e faça um pequeno fogo. Sua mãe va i prepara  algo para comermos” ele ordenou ao filho.  “Sim. .pai”  o rapaz obedeceu.

 Uma hora depois, os cavalos descansavam, sem os arreios  próximo ao laguinho. Analee pegou um  pequeno balde de madeira e foi até o rio para trazer água. Mas ao retornar o esforço, o calor, a pouca alimentação e tudo escureceu.

“Mãe..mãe... acorde..mãe” a voz do aflito Blue a trouxe de volta.  “Analee,o que houve”  agora era John que tinha uma expressão de angústia nos olhos. Analee percebeu que sua cabeça estava apoiada no colo de seu marido que se ajoelhara ao seu lado. Buck e os outros a ajudaram a se levantar  e ainda tonta e cambaleante ela foi levada até a carroça para descansar mais. “Mãe.. você está bem? ”Blue tinha uma expressão de preocupação “Sim, filho.. eu estou melhor..deve ter sido. .este calor” ela falou pausadamente e respirando com dificuldades. Uma opressão. Que angústia será essa? Por que eu sinto isso?

 

Xxxxxxxxxxxxxxx

 

“Blue.. Blue.. quantas vezes eu tenho lhe dizer que não force os cavalos” era mais uma reprimenda do pai.  Calma, John..Blue está apenas puxando os animais. Ele não está forçando” Buck apaziguou. “JOHN..BUCK.. OH’”   o grito veio do interior da carroça e era de Analee. Eles apearam rapidamente e correram para ver o que era. Analee estava encolhida em um canto. “O que houve?” “Um escorpião..John..enorme.. como eu nunca vi ante..”  “ PAI.....TIO BUCK..O QUE ESTÁ HAVENDO?” o jovem gritou da boléia ao ouvir o chamado da mãe. “Nada filho.. apenas um escorpião” John respondeu enquanto atirava longe o animal peçonhento e venenoso. Então abraçou o corpo trêmulo da esposa. “Calma, Analee.. foi somente um escorpião.. eu sei.. você está nervosa, cansada.. logo.. chegaremos” ele falou,  enquanto acariciava os cabelos da esposa mas sentiu que ela tremia

.

Mais uma noite no quase deserto do Arizona. Frio, animais peçonhentos, medo e esperança.. Os sentimentos se misturavam. Deitados no chão duro protegido apenas por cobertores, próximos à carroça, tio e sobrinho conversavam. E Buck contava mais uma anedota. “..então.. foi assim.. eu atirei primeiro.. fui mais rápido e botei eles para correrem”  “Ah.. tio Buck.. seis contra um e você ainda venceu? Como pode ser isso?” Blue desconfiava sempre dos casos do tio. “sobrinho.. seu tio Buck foi considerado o melhor pistoleiro depois da guerra” ele deu um leve tapa no braço de Blue e com um sorriso virou-se para dormir. Blue ficou observando as estrelas. O céu explodia em estrelas. “eu poderia desenhar este céu.. enquanto eles dormem” ele pensou mas desistiu ao imaginar seu pai descobrindo. Certamente levaria uma bronca. É melhor eu não irritá-lo.

 

xxxxxxxxxxx

 

 

“BLUE..CUIDADO.. UMA CASCAVEL”  o grito nervoso de John assustou  o rapaz que se desequilibrou ao tentar escapar do golpe mortal da peçonhenta. Mas um tiro certeiro, espatifou o réptil. “Blue Boy da próxima vez, veja por onde pisa”  Buck estava parado a poucos metros dele montado em seu cavalo e ainda com a arma fumegante na  mão.  “Quando é que você vai ficar mais atento as coisa, rapaz” a reprimenda veio de John que o sacudiu com força,  enquanto o ajudava a se levantar do chão pedregoso. Blue livrou-se dele com um safanão e com uma ponta de mágoa na voz disse para os dois. “eu ainda não aprendi a falar com cobras para saber quando elas estarão por perto”.  Pegou seu chapéu do chão e foi correndo para o  carroça.

“John. .você precisa ter mais paciência com este menino.”  Buck ponderou para o irmão. “Ora, Buck.. você mais uma vez quer me ensinar a educar o meu próprio filho?” a voz de John tremia de raiva. “Ele precisa, sim, e muito da minha mão disciplinadora.. e NÃO SE INTROMETA NA EDUCAÇÃO DELE, ENTENDEU BUCK?”  John não esperou a resposta de Buck foi em direção à carroça.

“Analee.....Analee....teremos que partir....” John abriu a janela do toldo e falou com a esposa. De dentro da carroça ela estava sentada em cima das mantas arrumando uma caixa de costuras. Em frente, Blue estava deitado sobre alguns travesseiros e cobertores com o braço em cima do rosto. “Eu não mandei você descansar, menino.  Venha, temos muito o que fazer e você tem que ajudar seu tio” a voz ríspida fez o peito de Blue se apertar. Ele acenou e levantou-se com languidez. “Billy.. por que não come algo?” A preocupada mãe fez menção de levantar-se para preparar um lanche mas foi impedido por ele. “Não. .mãe.. obrigado.. eu não estou com fome”  Desceu da carroça e passou pelo pai sem  uma palavra.

 

Está sendo penosa demais esta viagem. Mas eu me preocupo muito com eles. John e Blue. Eles precisam se acertar. John é extremamente duro com o menino. Mas  eu pouco posso fazer por meu Blue Boy. Afinal eu sou apenas o tio. Não sou o seu pai. Buck pensou tristemente, enquanto observava o semblante zangado de John após mais uma discussão com filho. E observou também a tristeza no fundo dos olhos de Blue, sem contar os rosto angustiante de Analee.

 

“Tio Buck, está muito quente e minha cabeça dói um pouco.” O rapaz emparelhou com o tio. Estava com o suado, grudado de poeira e cansado. Buck  ofereceu cantil para o sobrinho. “Beba um pouco.. vai lhe fazer bem.” Blue agarrou o cantil e bebeu sofregamente e depois devolveu ao tio. Observou que o pai vinha na boléia da carroça. “Tio Buck, pai está cada vez mais nervoso comigo. Tudo que eu faço, tudo que eu penso não agrada a ele. Eu não estou agüentando isso, tio” ele falou com um desabafo. “Blue, eu sempre estou conversando com você sobre o John. Eu só peço que você compreenda ele e não espere que ele compreenda você.” Buck apaziguou. “Mas, tio, é também muito difícil  ser criticado o tempo todo. Ser ameaçado de punição, ser tratado como se eu fosse uma criança” Blue tinha um leve tremor de emoção na voz juvenil. “Eu também me preocupo muito com a mãe. Eu penso que mãe não está feliz. Ele, muitas vezes,  é muito duro com ela, tio Buck” “Calma, sobrinho, calma. Não tire conclusões sobre os seus pais, rapaz. Certamente os dois se amam e se respeitam.”  Mas Buck  olhou de relance para ele e pensou: O rapaz tem razão. Está sendo muito duro suportar tudo  isso. John precisa chegar mais perto dele, escutar mais este menino. Blue é um filho  muito bom para seus pais. Blue é o  filho que eu queria ter. Buck voltou à realidade e sentiu um nó na garganta.

“Tio, eu penso o quanto é bom você está entre nós. Eu não sei o que seria de mim, tio, se não tivesse você para me apoiar” Blue tinha parado um pouco o cavalo e tocou em seu braço, enquanto falava. Buck nada respondeu mas sentiu-se feliz em ouvir isso de Blue.

 

 

E o dia transcorreu com cansaço, calor, pouca água, pouca comida, nervosismo de John, irritação de Blue e angústias de Analee e Buck. A noite chegou e logo cedo todos já estavam recolhidos, apenas Buck, ficou acordado para a ronda. Dessa vez, John dormiu na carroça junto com a esposa. Blue ficou ao relento protegido pela guarda de Buck e aquecido por uma pequena fogueira.

John dormiu imediatamente vencido pelo cansaço, ao contrário de Analee que não conseguia conciliar o sono. Observou seu marido dormindo ao seu lado e calmamente se aconchegou nele, sentindo a s sua respiração tranquila. Então seu pensamento mais uma vez voltou ao passado. Lembranças de um tempo feliz,  recém-casados. Analee, que cheiro gostoso é esse? Um jantar, John. Fiz um ensopado de carne que você gosta muito.   Seu marido mexeu-se na cama improvisada de cobertores e manta e ela ficou quieta para não acordá-lo. Ela percebia o quanto ele estava cansado, preocupado, angustiado. Colocou sua cabeça em seu peito forte e fechou os olhos e outra vez o passado voltou: Estava no quarto, preparando-se para dormir., quando seu marido entrou. Analee, você está linda. Obrigado pelo jantar especial. John a abraçou com seus fortes e poderosos braços e foi envolvendo ela, puxando-a para junto dele. Suas mãos, ansiosas acariciaram seu corpo pequeno e  com ousadia foi retirando a roupa de dormir da esposa. A fina camisola de cambraia bordada,  deslizou pelo seu corpo esguio e Analee arrepiou-se ao sentir seu corpo totalmente despido. Apesar da timidez ela não reagiu e ao contrário se entregou mais ainda às carícias do marido. Seus lábios se uniram em um longo beijo. Mesmo na  penumbra do quarto, John podia observar as belas formas do corpo da esposa e sentir os seu cálido perfume. Então ele a carregou como se levasse nos braços uma criança indefesa e a colocou na cama entre os lençóis macios .A luz mortiça da lamparina ,o calor da pequena lareira, o perfume das flores do campo na mesinha ao lado da cama, tudo isso os excitava. Ele então a observou, o rosto angelical, viçoso e belo da jovem esposa. Então afastou-se para despir a sua roupa e as carícias se intensificaram. Beijos, promessas de amor, promessas de uma vida feliz, promessas de  muitos filhos,. Depois de alguns minutos e exaustos, os dois dormiram abraçados e aconchegados.  Nove meses depois, William Cannon  nasceu. Analee voltou para a realidade  e um sentimento de felicidade tinha enchido seu coração. Sim, meu marido, seremos feliz aqui no Arizona. Eu prometo que farei tudo para lhe fazer um homem mais feliz deste lugar.Com cuidado ela colou um beijo em seus lábios mas John não acordou.

 

xxxxxxxxx

 

John ia   sempre na frente, fazendo a vigília, protegendo a família, perscrutando o lugar. A carroça vinha muito lentamente, dessa vez com Analee na boléia e Blue e Buck em seus respectivos cavalos. De repente um outro pequeno rio, por trás da ravina e a sede, o calor e cansaço  fez John olhar para trás e observar o quanto a sua esposa estava extenuada. Um banho refrescante, lhe  animará. Ele pensou e voltou para se encontrar com ela.

“Analee.. Analee. .encontrei um laguinho. Você quer tomar um banho? Eu penso que se sentirá melhor.” John agora estava próximo a ela segurando as rédeas das parelhas dos cavalos que puxavam a carroça. “Oh.. John.. sim eu gostaria muito.. o calor está insuportável” ela se animou e se levantou da boléia para descer com ajuda do marido.

“John. .vamos apear um pouco e eu vou com Blue tentar caçar um coelho, sim?” Buck tinha um ar divertido e Blue também tinha um sorriso nos lábios. “Claro, vá com ele filho e traga um coelho bem gordo.” John respondeu divertido. Observou os dois se afastarem e esperou a esposa chegar de trás da carroça, carregando uma pequena bolsa de tecido contendo seus apetrechos femininos. John a segurou com carinho pelos braços e a levou até a margem do laguinho .Com cuidado, olhou em volta e viu que Buck e Blue já estavam bem afastados. Analee ficou diante dele e John a tocou em seu rosto. Um rosto cansado, marcado pelas noites mal

–dormidas, pelos ventos secos mas ainda um belo rosto. Então ele a abraçou. Analee ficou envolvida pelos ombros fortes do marido e depois ficou atrás de uma pequeno arbusto e tirou o vestido de algodão azul que ela usava ficando apenas com uma roupa de baixo, de cambraia fina. Ajudada por John entrou na água morna e salobra. Foi até o meio e agachou-se sentindo a água tocar em seu corpo cansado e poeirento. John também entrou na água sem camisa  mas de calça e por estar com o coldre não se abaixou na água. Trazia na mão um pequeno sabão de um leve perfume e um pedacinho de toalha que retirara da pochete dela. Analee agradeceu e umedeceu o pano, passou o sabonete e lentamente começou a esfregar seu corpo sentindo a poeira se desprender. Um cálido perfume chegou até John que sentiu uma leve excitação ao observar as formas ainda belas da esposa sob o tecido molhado e grudado no corpo dela. John  retornou para a margem e pegou uma toalha e envolveu a esposa, levando-a até a carroça para que se trocasse.

Pouco depois os rapazes voltaram com um coelho e outras caças e aproveitaram para se refrescarem  no laguinho. Buck contava coisas engraçadas a Blue e o animava para a nova vida. “Blue Boy, levarei você no saloon lá em Tucson e você conhecerá algumas belas coristas, Blue Boy, você precisa conhecer essas mulheres” Buck piscou para ele e jogou água em seu rosto. Blue riu divertido pelas preocupações de Buck e pensou na corista Molly e quando ela o iniciou ao sexo. O cheiro do coelho assando invadiu a pradaria e a fome fez os rapazes se apressarem.

O dia já se esvaia, o sol já se despedia quando o grupo se reuniu em torno da trempe de lenha para degustar o saboroso coelho preparado por Analee. A lua cheia despontou no horizonte e a noite chegou trazendo o frio e todos se agasalharam diante da pequena fogueira, observando o céu estrelado e sonhando com uma vida melhor.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

“Venham, todos. Vejam estas terras !!  Estamos chegando ao nosso destino” John falou com euforia para a sua pequena família.

 

A vastidão da pradaria se estendia diante dos olhos daquele pequeno grupo. Surpreendidos pela beleza agreste do  lugar e assustados pela grandiosidade daquela terra quente e  sedenta, rodeada de cactus  e ravinas.

“Vejam todos ! Estas são as nossas terras !” a exclamação veio de um homem forte em seu orgulho de trazer até ali sua pequena porém amada família.

“Big John? Tem certeza que é nossa?” respondeu seu irmão Buck com um  assobio de assombro. O filho e a esposa ficaram mudos diante do lugar e abraçados contemplaram o por do sol mais belo que já tinham visto.

 

 

 

XXXXXXX

 

Mas o sangue e o pranto temperam estas terras. As disputas, as violências, a ganância, o medo e os Apaches com suas flechas quase sempre mortais. E os Cannons assistiram horrorizados, uma família ser dizimada diante deles e nada puderam fazer.

 

“Oh! John... que terrível .. os Apaches..  aquela família.. assassinada.. John.. Oh.. meu Deus” Analee estava apavorada. Tinham acabado de conhecer uma família que seriam seus vizinhos e possivelmente seus amigos nesta nova e estranha terra. John nada disse apenas abraçou a chorosa esposa. Uma preocupação, uma terrível preocupação  atravessou seu coração como uma flecha. E então ele escutou o lamento de seu filho que o acusava de ter negado ajuda àqueles infelizes.

 

“Tio  ..ele não deixou que ajudássemos àquela família. Ele ..ele teve medo tio.. se diz tão corajoso .tão valente. .mas foi covarde, tio...e teve medo. .tio. .medo”  a voz tremulava e o pranto sacudiu o corpo do jovem. “Cale-se rapaz ..não fale assim de seu pai . Blue. escute. .filho.. nós .não teríamos a menor chance. Entenda seu pai. .e o respeite... por favor”  Buck o repreendeu e Blue abaixou mais ainda a cabeça deixando o choro fluir livremente. Tinha conhecido uma garota desta família e certamente seriam bons amigos e agora ela jazia morta pelos índios e seu pai não permitiu que ele a ajudasse. “Calma, rapaz, eu entendo o que você sente mas ficar assim, acusando seu pai não vai trazer ela de volta. Acalme-se, Blue Boy e tente descansar.” Buck também tinha uma tristeza e uma enorme preocupação no olhar. Estarei com vocês e protegerei vocês, também.

 

“Analee, quando eu digo que Blue precisa crescer, é por causa disso. Ele  não sobreviverá aqui, Analee, se não crescer, se não se tornar um homem duro.” John desabafou com a esposa.  “Billy é sensível sim.. eu concordo com você. Mas o amor também é uma arma poderosa, John.”  A frase de Analee foi interrompida pelo voz de trovão do marido que a cortou com rispidez “NÃO AQUI NESTA TERRA, ANALEE.”. “Então um dia você o perderá, John. Ele partirá para longe de nós.”  a  mulher falou tristemente. Blue escutou o que sua mãe disse ao pai e  lançou um olhar cheio de mágoa para ele. A noite foi tensa, insone, insuportável.

 

O dia não trouxe ânimo para o pequeno grupo que ainda lembravam da tragédia do dia anterior. Analee preparou um café com bacon e pão para o pequeno grupo. Arrumou uma toalha em uma tábua para improvisar uma pequena mesa, enquanto John e Blue foram se banhar e pegar um pouco de água para ela. Tinha marcas de choro no rosto e Buck se aproximou  e a observou. “Analee.. está difícil não é?” ele perguntou com ternura. Admirava muito  aquela mulher que dava todo o suporte à sua família querida. Tinha um profundo amor por ela. Mas uma  amor diferente. Quem sabe, uma irmã que não teve. Analee tentou sorrir mas o que veio foi um choro sentido. Um choro do fundo do seu sofrido coração. Largando as canecas sobre a mesa, ela abraçou-se àquele homem também rude mas compreensivo. “Oh..Buck.. Oh.. eu estou tão cansada, tão assustada, Buck” Buck a amparou e um pouco sem jeito a tranqüilizou.  “Tenha calma, cunhada, porque tudo vai dar certo. Confie em John e lembre-se que eu lhe protegerei sempre. A você e a Blue. Eu prometo”. Analee se emocionou ainda mais com estas palavras e o pranto agora fluía livremente. “Eu.. tenho medo de Blue e John. .oh! Buck..está cada vez mais tensa a relação dos dois. E são pai e filho, Buck.. John não o compreende” ela desabafou ainda abraçada a ele. Buck estava muito penalizado e tentou ainda consolá-la. “Um dia eles vão se entender. Apesar de tudo eu nunca duvidei do amor de um para o outro. Só precisam se entender mais. Claro que John é severo com Blue. Ainda trata ele como se fosse um menino. É porque John tem medo, Analee, muito medo de perdê-lo.

 

A lide continuou com muito trabalho. Uma roda da carroça se quebrou o que exauriu muito esforço dos homens para consertá-la. Sol, calor, poeira, sede, vento seco. Um inferno.

 

John observou Blue sentado apoiado na roda da carroça, protegido pelo sol.  Aguardava a sua mãe finalizar o rápido almoço. O rapaz estava triste e desanimado. John aproximou-se dele e abaixou-se para lhe falar.  “Filho, eu sei que está sendo difícil. Mas  já estamos chegando ao nosso destino. Eu também estou sentindo pela morte daquela família mas não podemos fazer mais nada. Podemos, sim, lutar...lutar para que a paz reine neste lugar. “ Blue manteve-se em silêncio. Um silêncio que incomodava aos dois. Tinha muito o que dizer ao pai, tinha vontade de gritar, de esbravejar e até de abraçar ele mas nada disse. Sempre se sentia assim quando estava perto de John Cannon. Uma estranha sensação de amor, rancor e medo. Então ele levantou-se e ficou encostado na lateral da carroça. John fez o mesmo e pegou ele pelos ombros  ,virando-o para sua frente e continuou a falar. “Eu sei que sou muito duro com você, Blue.   Severo e intolerante até demais mas é preciso que seja assim, filho. Eu preciso endurecer você para que você sobreviva aqui, Blue.  Um pai antes de tudo, tem que ser um pai, tem que dar a segurança, o limite, mostrar o caminho, dar o exemplo. Eu sei que eu faço isso com você. Talvez de um forma dura e disciplinadora. E muitas vezes tem que ser desta forma e você sabe porque, filho. Eu sou seu pai, Blue e só quero o seu bem. Nunca se esqueça disso” Então John o sacudiu levemente sentindo uma vontade imensa de abraçar aquele jovem rapaz, dizer o quanto o ama. Mas apenas  o sacudiu e saiu deixando-o sozinho e em silêncio.

Blue cambaleou um pouco e apoiou-se outra vez na carroça. As palavras do pai ecoavam em sua mente e tinham tocado ele mas um pensamento não o abandonou: Porque, porque ele não disse que me ama?

Xxxxxxxxxx

 

Exaustos, apreensivos, sedentos e empoeirados. Assim a família Cannon chegou a este lugar, a este rancho com muita esperança de uma vida melhor. E ao observar o pôr-do-sol que manchava o firmamento, Analee orou em silêncio: Obrigado, Senhor, faça de mim o instrumento de paz para a minha família. Aqui será o nosso lar. Abençõe  esta terra, Senhor. Abençoe a família Cannon. Amém

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

HIGH CHAPARRAL.  O sonho de um homem que viajou mais de 1000 milhas com sua família para fincar  seus pés para sempre nestas terras. Terras temperadas com ódio e amor. Guerra e paz. Alegrias e tristeza... e sangue..... muito sangue.

 

Sozinho diante da cruz com o nome de sua esposa, John Cannon, o rude, o forte, o poderoso patriarca da família Cannon olhou em volta e avistou o seu rancho, as montanhas, o céu, e então o seu coração se encheu de tristeza.. A  paz que ele tanto sonhou  para viverem feliz no belo e selvagem território do Arizona, a paz com os Apaches e  os Mexicanos, a paz com a sua família ,parecia ainda tão distante. Quando teremos a tão sonhada paz, meu Deus? 

 

Colocou uma pequena flor na sepultura da esposa. Fechou os olhos e mentalizou uma espécie de oração. Descanse em paz, minha  Analee!. Aqui viverão todos os Cannons que vierem depois de mim. E aqui também um dia descansarei para sempre. Junto a você, minha querida e adorada Analee. E você estará para sempre em nossos corações, meu e  de nosso filho, Blue. E todos que vierem depois, sempre saberão que você, Analee, deu nome a este rancho.. HIGH CHAPARRAL. O MAIOR RANCHO DESTE LUGAR.  O MAIOR RANCHO DO MUNDO.

E uma lágrima escorreu pelo seu rosto cansado E  marcado pela vida.

 

FIM

 

Obs: esta estória é baseada no piloto da série, Destination Tucson.